Dilma “perdeu a legitimidade do exercício da Presidência”, diz Modesto Carvalhosa

  • Por Jovem Pan
  • 26/03/2016 12h28
Presidente Dilma Rousseff - EFE

Diante do cenário desgastado por conta da crise política que atinge o Palácio do Planalto, o processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff segue sendo analisado pela comissão especial na Câmara dos Deputados.

Em entrevista à Jovem Pan, o jurista Modesto Carvalhosa afirmou que há um “efeito devastador e nada prático” na possibilidade da saída de Dilma da Presidência.

“A legitimidade de um Governo não é só na eleição, mas do exercício legal desse Governo, que deve ser voltado ao interesse público. O que se verificou é que a presidente da República, ao exercitar a Presidência, se voltou ao acobertamento de todos os malfeitos que ocorreram durante os 13 anos do Governo do PT. Ela perdeu a legitimidade do exercício da Presidência, embora não tenha perdido a legitimidade da sua eleição”, pontuou.

Segundo o jurista, as pedaladas fiscais praticadas por Dilma Rousseff são suficientes para sustentar o pedido de impeachment. “As pedaladas fiscais que ela participou são crimes de responsabilidade de altíssima gravidade (…) constituem o crime mais grave que se possa imaginar na Presidência da República”, disse.

Protagonista de grandes episódios da história política desde o regime militar, Modesto Carvalhosa afirmou que, embora a corrupção existisse, “nenhum Governo tinha um programa, um planejamento, de ver, manter e permanecer através da corrupção” como o existente hoje.

*Confira a entrevista completa no áudio acima