Disputa pela presidência da Câmara de SP é primeiro entrave político de Doria

  • Por Jovem Pan
  • 21/11/2016 07h32
Câmara Municipal de São Paulo

Gestão empresarial de Doria esbarra na burocracia governamental e velocidade política na Câmara de São Paulo.

O prefeito eleito precisará rapidamente votar projetos no Legislativo para mostrar resultados prometidos à população. Na lista de temas prioritários, a concessão de serviços públicos, em parques, mercados, Anhembi, autódromo e estádio Paulo Machado de Carvalho dependem do aval dos vereadores.

Hoje o vereador do PSDB, Mario Covas Neto, disputa com Milton Leite, do DEM, o comando da Câmara em 2017. O presidente tem o poder de pautar os temas em votação, as sessões e todo o andamento legislativo.

Com apoio do PT, Leite articula apoio para vencer no dia primeiro de janeiro.

Presidente do diretório municipal tucano, Covas Neto, aproveitou o encontro de prefeitos do PSDB, na presença de João Doria, para cobrar apoio na sua tentativa de presidir a Câmara.

“Até para a governabilidade, mas cada partido aliado tem seu próprio interesse que, eventualmente, não é nosso interesse. devemos fortificar PSDB para que consigamos, em 2018, aumentar aina mais nossa representação”, disse.

O prefeito eleito João Doria reforçou que não irá lotear sua administração e nem poderia interferir na disputa na Câmara. “A Câmara tem autonomia, independência, tem maturidade e grandeza para tomar sua decisão e fazer sua escolha do seu futuro presidente”, disse.

A coligação que elegeu João Doria soma 29 dos 55 vereadores da Câmara. O presidente será eleito com a maioria simples de 28 votos.

O PSDB elegeu 11 vereadores e a coligação 18: 4 do DEM, 4 do PRB, 3 do PSB, 2 do PPS, 2 do PV, 1 do PHS, 1 do PP e 1 do PTN.

*Informações do repórter Marcelo Mattos