Dívida da Prefeitura de SP com empresas de ônibus passa dos R$ 220 mi

  • Por Jovem Pan
  • 27/01/2017 07h09
São Paulo - Motoristas e cobradores de ônibus da capital paulista estão parados desde às 10h, em protesto contra o aumento de 2,31% oferecido pelas empresas de ônibus. A categoria reivindica aumento de 5%.(Rovena Rosa/Agência Brasil) Rovena Rosa/Agência Brasil Paralisação

A dívida da Prefeitura de São Paulo com as empresas de ônibus ultrapassa os R$ 220 milhões. O número foi divulgado nesta terça-feira (24) pela SPUrbanuss, entidade que congrega as viações que operam o transporte rodoviário municipal.

Do total, a cidade deve R$ 147 milhões às empresas que operam pelo modelo de concessão, que são as empresas tradicionais que trabalham a partir de licitações.

Outros R$ 77 milhões são devidos às empresas permissionárias, que são as antigas cooperativas, que trabalham a partir de contratos precários.

O presidente da SPUrbanuss, Francisco Christovam, explicou que esses valores vêm de atrasos que atualmente somam aproximadamente um mês. “Grosso modo, quando houve a mudança da administração, praticamente a operação realizada no dia 02 de dezembro não tinha sido paga ainda”, disse.

Christovam afirmou ainda que a atual administração tem demonstrado intenção de diminuir essa diferença gradualmente entre o dia de serviço contratado e o dia de pagamento.

O prazo original em contrato é de cinco dias úteis e foi sendo esticado ao longo do fim do mandato do prefeito Fernando Haddad.

A dívida não é o único problema que a Prefeitura deve administrar ao longo desta gestão.

Nesta semana, o município renovou de maneira emergencial os contratos das empresas permissionárias por mais de R$ 1,2 bilhão. Essas empresas ainda não operam com contratos mais estáveis porque a licitação dos transportes, planejada na gestão Haddad, está parada por questionamentos do Tribunal de Contas do Município.

A concorrência deveria ter realizado ainda em 2013.

*Informações do repórter Tiago Muniz