Editorial – Marisa sofre AVC. Cuidado com o fascismo da vulgaridade!

  • Por Reinaldo Azevedo/Jovem Pan
  • 24/01/2017 17h36
Lula e Marisa Letícia

Marisa Letícia, mulher do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, está internada no hospital Sírio- Libanês. Ela sofreu um AVC hemorrágico. Chegou consciente ao hospital.

Bem, também uma nota como esta segue com uma opinião, a mesma emitida aqui em outras circunstâncias, quando, por exemplo, se descobriu um câncer em Lula e Dilma: que tudo se saia pelo melhor. Que Marisa se recupere!

Eu não diria nada diferente, ainda que estivesse vivendo outras circunstâncias, a exemplo do que já fiz no passado. Neste momento em particular, no entanto, cumpre que me veja além da solidariedade humana, de que todos são merecedores. Só não tive um AVC, como se sabe, porque fui premiado com a chamada “dor sentinela”. Marisa, infelizmente, não teve o aviso, que é uma ocorrência muito rara.

Neste momento, ela está fazendo um cateterismo cerebral para avaliar a extensão do dano.

Fechei a área de comentários. Rogo que o bom senso substitua as afinidades eletivas de um lado e de outro. Torço pela recuperação de Marisa. E ninguém tem o direito de duvidar disso.

E peço cuidado com avaliações apressadas e, com frequência, grosseiras, que não hesitarão: “Mandem para o SUS! Por que o Sírio-Libanês?”.

Sim, eu adoraria que todos os brasileiros tivessem acesso à qualidade do trabalho do Sírio, que conheço bem, felizmente! Mas Marisa não é “a” responsável pela precariedade da saúde no Brasil. Nem Lula é. Ele leva nas costas, nesse caso, o peso que levam todos os políticos.

Vamos tomar cuidado, por favor, para afastar de nós o que George Steiner chama “fascismo da vulgaridade”.

O estado de Marisa Latícia é greve? É, sim! Sempre é nesses casos. Trata-se do rompimento de um aneurisma em artéria cerebral.