Eficiência na gestão das cidades depende de incentivos em pesquisa e inovação

  • Por Jovem Pan
  • 27/04/2017 10h48
21-01-2015 - São Paulo. Foto: Rafael Neddermeyer/ Fotos PúblicasCidade de São Paulo

Tornar mais eficiente a gestão das cidades por meio da aplicação de tecnologia significa diminuir a burocracia e otimizar processos: ampliar as parcerias entre empresas e setor público, investir cada vez mais pesquisa, incentivar a inovação.

Esses foram só alguns dos insights que surgiram no debate sobre tecnologia nas cidades do futuro, durante o Fórum Mitos & Fatos – Jovem Pan Discute.

O Brasil, embora não esteja na dianteira da revolução tecnológica, acompanha de perto o ritmo do avanço mundial, segundo o ministro Gilberto Kassab.

O titular da pasta de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, afirmou que o Brasil está pronto para receber a realidade da “Internet das Coisas”.

Representante de um país referência em tecnologia, a chefe de missão da embaixada de Singapura, Siew Fei Chin, deu exemplos importantes. E das inúmeras mensagens, a mais significativa é que trata do incentivo aos negócios.

No entanto, para seguir o exemplo de Singapura, precisamos reduzir a burocracia e observar a questão regulatória com menos anacronismo. Essa foi a defesa do diretor de políticas públicas da Uber, Daniel Mangabeira.

Mario Rachid, diretor de Soluções Digitais da Embratel, reforçou a importância da cooperação entre empresas e governo para ampliar o acesso à tecnologia no País.

Se preciso destacar apenas uma conclusão dessa discussão sobre tecnologia nas cidades do futuro, podemos citar a importância de priorizar os cidadãos.

O diretor do Instituto de Tecnologia e Sociedade, Fabro Steibel, resumiu o espírito do debate.

Tecnologia tem que estar inserida na vida do cidadão, tem que ser usada como motor para estimular a inclusão e melhorar os serviços prestados para os moradores das cidades.

No fundo, tecnologia não são cabos de fibra ótica, não são torres de transmissão e nem mesmo computadores e celulares.

O debate promovido pela Jovem Pan sobre as cidades do futuro mostrou que, mais do que qualquer coisa, tecnologia são as pessoas que vivem nas cidades.

Confira a reportagem completa de Carlos Aros: