Entidade espera que visita de diretora da OMS seja revertida em recursos

  • Por Jovem Pan
  • 25/02/2016 07h14
EFE/ Antonio LacerdaImagens de zika

 O Instituto Materno Infantil, que recebeu a diretora-geral da Organização Mundial da Saúde nesta quarta-feira (24/02), espera que a exposição promovida pela visita de Margareth Chan represente também recursos. A instituição pernambucana que atende 230 crianças com microcefalia, passa por uma grave crise financeira desde o ano passado.

Segundo a coordenadora do Centro de Atenção à Mulher, Adriana Scavuvvi, a entidade filantrópica depende de repasses dos governos estadual e federal, que nem sempre vêm, para prestar serviços ambulatoriais e hospitalares para os pacientes de todo o Estado. Ela espera que o IMIP seja socorrido pela OMS, inclusive para atender a demanda crescente de bebês com a anomalia associada ao vírus zika: “Para nos aparelharmos cada vez mais e ter um enfrentamento desse problema. Não é fácil, a demanda tem sido cada vez maior. A gente precisa desses instrumentos, tanto no que diz respeito a aparelhagem para fazer diagnóstico, ressonância, tomografia, ultrassom, como em reabilitação, que é outra coisa extremante importante nessas crianças. Estamos contando com a ajuda dessas organizações para dar um melhor suporte a essas crianças”.

Segundo Scavuvvi, a crise financeira, infelizmente, não é um privilégio do Instituto: “Ele espelha a situação em que passa o Brasil todo. Nós vivenciamos essa crise de uma forma muito intensa. A crise não é municipal, é nacional, então a IMIP reflete esse momento difícil da crise do Brasil como um todo”.

Para manter a demanda crescente de casos, a entidade organizou uma força tarefa para garantir que nenhum bebê fique sem atendimento. Pernambuco é líder em números de microcefalia, com 209 confirmações e quase 1.200 em investigação.

O Plano estratégico da OMS em resposta à epidemia da zika prevê investimentos globais de US$ 56 milhões, cerca de R$ 225 milhões. Pelos critérios de distribuição dos recursos, o Brasil receberá a maior parte da verba.

Informações de Carolina Ercolin