Especialista aponta dupla motivação em atentado: homofobia e Estado Islâmico

  • Por Jovem Pan
  • 13/06/2016 07h58
SYD12 SÍDNEY (AUSTRALIA) 13/06/2016.- Varias personas participan en una vigilia en recuerdo a las víctimas de la matanza en una discoteca gay de Orlando, en la plaza Taylor, en Sídney, Australia, hoy, 13 de junio de 2016. El autor del ataque, de origen afgano, fue abatido ayer por la policía tras haber tomado como rehenes a los asistentes. Al menos 50 personas han fallecido y 53 fueron heridas. EFE/Dan Himbrechts PROHIBIDO SU USO EN AUSTRALIA Y NUEVA ZELANDAAtentado em Orlando EFE

 A professora de História Contemporânea da USP, Maria Aparecida Aquino, falou à Jovem Pan que o atentado realizado em Orlando possuiu uma dupla motivação: “Não dá para a gente ignorar o local que foi selecionado pelo atirador. (…) Pode ser uma dupla relação, relação com o Estado Islâmico, ele demonstrava essa simpatia, e vem com a seleção do local, uma boate especificamente gay. Não dá para descartar o componente homofóbico e a dupla motivação do atentado”.

Com a forte cultura armamentista dos Estados Unidos, a especialista acredita que qualquer político teria dificuldade em realizar uma alteração na legislação: “O uso de armas no EUA é muito específico, muito característico, e há uma cultura do saloon, do velho oeste, ideia clara de que dá para fazer justiça com as próprias mãos, a cultura da arma, a necessidade do indivíduo ser armado é muito forte. (…) Qualquer governante teria dificuldade em aprovar uma legislação, mesmo que colocasse apenas o controle da arma”.

Maria Aparecida Aquino lembrou que o responsável pelo crime, Omar Mateen, de 29 anos, tinha antecedentes, mas isso não foi um impeditivo para ele comprar as armas que usou no atentado.