“Eu não quero ser o Haddad do PSDB”, diz pré-candidato à prefeitura, João Doria Jr.

  • Por Jovem Pan
  • 08/01/2016 11h50
João Dória Júnior 08/01/16

 Pré-candidato à eleição da prefeitura de São Paulo pelo PSDB, João Doria Júnior esteve no Jornal da Manhã nesta sexta-feira (08). Ele falou um pouco das suas propostas de gestão, criticou projetos da atual prefeitura e prometeu que, se eleito, voltará à velocidade das marginais “Na semana seguinte, sendo eleito, nós vamos mudar a velocidade nas Marginais”.

Críticas a Fernando Haddad

Dória criticou a o trabalho que tem sido feito pelo prefeito Fernando Haddad: “É um bom professor, mas um péssimo gestor”. O empresário considera absurda a ideia de promover eleição direta para subprefeitos. Ele recrimina o que chama de projeto arrecadatório, que é consequência da redução da velocidade em vias expressas e aumento da instalação de radares, e cita diversas metas prometidas pro Haddad que não foram cumpridas. Ele diz: “Ser bom gestor é fazer opções e ter coragem de fazer transformações. Eu não quero ser o Haddad do PSDB”.

Privatizações

João Doria Júnior afirma que pretende mudar completamente o sistema de saúde: “O desleixo da prefeitura é brutal, chega a ser criminoso”. Ele pretende encontrar na iniciativa privada formas de implementar serviços de saúde de qualidade. Ele também afirma que, se eleito, privatizará o estádio do Pacaembu, o autódromo de Interlagos e o sambódromo do Anhembi: “Sou a favor de um Estado mais enxuto”. Para garantir que as vizinhanças não sejam afetadas, o empresário garante que as finalidades seriam mantidas, impedindo a realização de um show no Pacaembu, por exemplo.

Oposição

Entre as críticas ao executivo estão a falta de experiência e o fato de ter uma imagem muito ligada à elite, o que o afastaria da realidade da periferia de São Paulo. Ele nega desconhecer a periferia e diz que, conforme recomendação de Geraldo Alckmin, tem gastado “sola de sapato” e vai frequentemente à periferia ouvir as comunidades. Ele diz que seu sucesso financeiro é motivo de orgulho: “O que colocam contra mim é que eu trabalho, sou rico e que me dei bem. Considero isso uma qualidade e não um defeito”.

Confira a entrevista completa no Jornal da Manhã.