Ex-embaixador prevê cláusulas rigorosas para a saída do Reino Unido da UE

  • Por Jovem Pan
  • 24/06/2016 08h53
Brasil, São Paulo, SP. 17/11/2010. O presidente do Conselho de Comércio Exterior da Fiesp, Rubens Barbosa, em noite de autógrafos da autobiografia do economista e ex-ministro da Fazenda, Maílson da Nóbrega, intitulada "Além do Feijão com Arroz", na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, na capital paulista. - Crédito:LEONARDO SOARES/ESTADÃO CONTEÚDO/AE/Codigo imagem:68365Rubens Barbosa

 Em entrevista à Jovem Pan, o ex-embaixador e presidente do Conselho Superior de Comércio Exterior da FIESP, Rubens Barbosa, falou que, se confirmada a saída do Reino Unido da União Europeia, o bloco fará cláusulas rigorosas para evitar outras saídas: “Eles vão procurar manter a situação, negociar com o Reino Unido e colocar cláusulas muito duras na negociação para evitar que outros países saiam”.

Barbosa não acredita que intenção de sair terá consequências imediatas, e ressalta que o Brasil perderá um grande aliado no bloco europeu: “Imediatamente os mercados reagiram , mas no próximo ano acho que do ponto de vista concreto, muito pouca coisa vai mudar. (…) A instabilidade econômica financeira dos mercados vai durar alguns dias, depois se estabiliza. Para o Brasil, como eu disse, não vai ter efeito imediato, mas quando o Reino Unido sair, vamos perder um aliado, porque o Reino Unido tem uma posição mais aberta, menos protecionista, menos controladora, como tem a França e outros países da Europa”.

Movimentos populistas têm crescido na Europa e, com as eleições na França e na Alemanha em 2017, o diplomata diz que o bloco tentará manter a coesão, mas acredita em uma eventual saída da Escócia do Reino Unido poderá ocorrer: “Vai ter eleições na França e na Alemanha, e há movimentos de saída crescentes na Europa, através de políticos populistas que ganharam corpo, mas não acredito que haja um movimento de saída. A UE vai negociar para não ter saída de outros países. (…) O movimento de independência da Escócia perdeu por pouco, agora, se a saída do Reino Unido se efetivar, talvez a Escócia faça um novo referendo para se independizar”.

O ex-embaixador também ressaltou que o comportamento da Inglaterra sempre foi diferente do restante da Europa, sobretudo em relação aos imigrantes: “Acho que eles vão tornar a legislação mais rígida, sobre a movimentação de pessoas. No Reino Unido não são imigrantes do Oriente Médio, são da Europa mesmo, de países da Europa Oriental. (…) Um dos fatores mais importante, é a questão do emprego. Eles ocupam o lugar de ingleses que poderiam trabalhar, sobretudo no interior”.