Ex-secretário de Cabral é alvo de operação da PF contra fraudes em licitações

  • Por Jovem Pan
  • 11/04/2017 06h43
Secretário de Estado de Saúde

Agentes da Polícia Federal, Ministério Público Federal e Receita Federal realizam na manhã desta terça-feira (11) operação para cumprir mandados judiciais em investigação de fraudes em licitações para o fornecimento de próteses para o Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia.

O ex-secretário de Saúde do governo Sérgio Cabral, no Rio de Janeiro, Sérgio Côrtes, e os empresários Miguel Iskin e Gustavo Estellita são alvos de mandados de prisão. A operação cumpre ainda mandados de busca e apreensão em diversos endereços.

Segundo as investigações, quando era diretor do Into, Côrtes teria favorecido a empresa Oscar Iskin, da qual Miguel é sócio. Estellita é sócio de Miguel em outras empresas, mas já foi gerente comercial da Oscar Iskin.

Ainda de acordo com as investigações, as empresas do esquema atuavam de forma conjunta para burlar a competitividade das concorrências públicas e favorecer a Oscar Iskin.

Os mandados de prisão foram expedidos a partir da delação premiada de César Romero, que trabalhou com Côrtes e entregou o esquema.

A Oscar Iskin é uma das maiores fornecedoras de próteses do Rio de Janeiro. Côrtes foi secretário de Saúde de Cabral de 2007 a 2013.

Em dezembro do ano passado, Côrtes já havia sido notificado pelo plenário do Tribunal de Contas do Estado.

De acordo com o órgão, em sua gestão, ao menos oito cooperativas foram contratadas pela secretaria com dispensa de licitação e sem comprovação de prestação de serviços. O corpo técnico do TCE avaliou um prejuízo de R$ 600 milhões.

Em 2015, a CPI da Máfia das Próteses na Câmara pediu um aprofundamento das investigações sobre a empresa de Côrtes.