“Existe um acordo informal entre as campanhas”, afirma João Santana

  • Por Jovem Pan
  • 15/05/2017 07h27
Roberto Stuckert/Divulgação - 2/11/10João Santana entre ex-presidentes Lula e Dilma durante campanha presidencial de 2010

Em delação, o marqueteiro João Santana afirmou que as tesourarias de candidatos rivais promovem acordos subterrâneos para enganar o TSE.

O marqueteiro disse em depoimento ao Ministério Público Federal que a combinação servia para dar uma aparência de normalidade às contas.

O delator falou que isso não acontecia apenas em campanhas à presidência da república, mas também aos governos dos Estados e às prefeituras.

João Santana diz que os acordos aconteciam mesmo em casos em que os oponentes estivessem dispostos a “arrancar sangue” uns dos outros. “Existe um acordo informal entre as campanhas, mesmo as campanhas que vão arrancar sangues, mas os coordenadores financeiros conversam entre si”, disse.

João Santana foi o responsável pelas campanhas petistas à Presidência da República em 2006, 2010 e 2014.

Os vídeos da delação premiada dele e da esposa, Mônica Moura, foram divulgados na sexta-feira (12) depois da delação de ambos ter sido homologada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Luís Edson Fachin.

*Informações do repórter Tiago Muniz