Federação da PF quer que PGR continue investigando Humberto Costa em esquema

  • Por Jovem Pan
  • 18/08/2016 08h22
Senador Humberto Costa (PT-PE)

A Federação Nacional dos Policiais Federais prepara pedido ao Procurador Geral da República para que não aceite o arquivamento das investigações sobre a participação do Senador Humberto Costa no escândalo chamado “Petrolão”. A ligação do parlamentar, que já foi investigado em outras duas operações da PF, com a Associação dos Delegados da Polícia Federal e a atuação de um dos seus diretores como chefe de Gabinete de Humberto Costa causaram estranheza aos dirigentes da Fenapef. A aproximação do senador que até lhe rendeu uma medalha de honra oferecida pela associação, em 2012.

A vinculação do senador Humberto Costa com o senhor Adilson Bezerra, delegado federal lotado em seu gabinete e diretor da ADPF, é pública, o que, para a Fenapef, não pode gerar dúvidas quanto ao empenho da Polícia Federal nas investigações que têm o próprio senador como alvo.

Confira a nota na íntegra:

FEDERAÇÃO NACIONAL

DOS POLICIAIS FEDERAIS

Ofício nº 54/2016/FENAPEF

Brasília, 17 de agosto de 2016.

A Sua Excelência o Senhor

Rodrigo Janot Monteiro de Barros

Procurador-Geral da República

Brasília/DF

Excelentíssimo Senhor Procurador-Geral,

A Federação Nacional dos Policiais Federais – FENAPEF, legítima representante dos 27 sindicatos regionais, congregando cerca de 15.000 policiais federais, diante do cenário que sensibilizou todo o país em prol de um efetivo combate à corrupção, vem manifestar a sua preocupaçãodiante do pedido de arquivamento das investigações que apuravam o possível envolvimento do Senador da República Humberto Costa em meio ao trabalho conjunto desenvolvido pelo Ministério Público Federal, Polícia Federal e Poder Judiciário, popularmente conhecido como Operação Lava Jato.

É de conhecimento que o citado senador já teve seu nome envolvido em outras investigações da Polícia Federal, dentre elas a Operação Sanguessuga, a Operação Vampiro, o Mensalão e, mais recentemente, na Operação Lava Jato, todas não tendo resultado em nada que efetivamente o responsabilizasse pelo que inicialmente fora apontado.

Tal pedido de arquivamento destoa, inclusive, do tratamento dispensado em casos similares, como, por exemplo, o do ex-Senador Gim Argelo, que culminou até mesmo na restrição de sua liberdade em razão das investigações feitas a partir de uma colaboração premiada no seio da mesma Operação Lava Jato.

Em contrapartida, uma situação inusitada acompanha o senador ora sob comento, que é o fato de o delegado de Polícia Federal Adilson Bezerra Batista ter com ele ligação desde a época em que este ocupou o cargo de Ministro da Saúde entre os anos de 2003 e 2005.

A cessão do citado delegado ocorreu no dia 17/02/2004, com apenas cerca de 02 (dois) meses em que este havia sido investido no cargo. Tal delegado praticamente nunca exerceu a sua função junto ao Departamento de Polícia Federal, pois nele apenas permaneceu por brevíssimo espaço de tempo, fato esse que nunca o impediu de manter estreita ligação com a Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal (ADPF), onde já exerceu a função de assessor parlamentar e é atualmente membro do Conselho de Ética da referida entidade, fato no mínimo curioso em razão de não haver o contato cotidiano no seio do órgão de origem para atuar em nome dos interesses da classe, razão que normalmente justifica a inclusão dos integrantes de uma diretoria de representação de classe.

O fato é que a ligação do delegado Adilson com o Senador Humberto Costa, cuja origem é a área de saúde, por ser médico, tem gerado grandes frutos para a ADPF dentro do Senado Federal, onde tem sido confirmada grande advocacia por parte do senador às causas que interessam exclusivamente à categoria dos delegados.

São inúmeras as propostas legislativas de autoria ou com a participação efetiva e defesa veemente do eminente senador em prol dos integrantes do cargo de delegado de Polícia Federal, a exemplo da MPV 657/2013, PEC 107/2011, PLS 133/2011, PLS 199/2011, PLS 286/2011, PLS 694/2011, PLS 004/2012, PLS 406/2012, PLS 139/2014, PLS 090/2015, PLS 089/2015, PEC 549/2006, PEC 293/2008, PEC 79/2011, PL 7193/2010, PLS 124/2011, PLS 156/2009.

O referido senador, possivelmente por conta do seu assessor-delegado Adilson, tem mantido íntima relação com a causa dos delegados, especialmente os federais, o que, inclusive, já lhe rendeu uma homenagem por parte da ADPFno ano de 2013 (http://goo.gl/vnQm2y e http://goo.gl/Q5FquF), devido à sua atuação.

Desta forma, o pedido de arquivamento do procedimento que investigava o senador ora sob comento, diante das informações surgidas através do instituto da colaboração premiada, que tanto tem contribuído com a elucidação de fatos delituosos, em especial na conhecida Operação Lava Jato, deixa a grande maioria dos policiais federais preocupada com uma possível situação de impunidade.

Nesse sentido, pedimos a Vossa Excelência que seja dada uma atenção especial a esse pedido de arquivamento das investigações em torno do Senador Humberto Costa, diante do risco de que não tenha sido realizada uma investigação com o cuidado que o caso requer, bem como nos colocamos à disposição para colaborar com o Ministério Público Federal no que estiver ao nosso alcance para o efetivo combate à corrupção e à persecução criminal em geral.

Respeitosamente,

LUÍS ANTÔNIO ARAÚJO BOUDENS

Presidente

FENAPEF

*Informações do repórter Claudio Tognolli