FHC nega irregularidades e não vê razões para estar em apuro na Lava Jato

  • Por Jovem Pan
  • 01/05/2017 06h11
O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso participa de debate sobre Reformas da política global sobre drogas: impactos na América Latin, organizado pela Open Society Foundations (Tânia Rêgo/Agência Brasil)Fernando Henrique Cardoso - Ag Brasil

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso se manifestou neste domingo (30) sobre irregularidades nas campanhas de 1994 e 1998. O tucano divulgou nota negando delitos nas eleições em que disputou a presidência da República.

O texto é uma resposta a reportagem do jornal O Globo, que o coloca como um dos 14 ex-presidentes latino-americanos investigados pela Lava Jato.

“Nas declarações do senhor Emílio Odebrecht no inquérito da LavaJato ele disse expressamente que não pratiquei ‘ilicitudes’ e que nunca falou comigo sobre valores para a referida campanha. Tanto assim que um procurador que o escutava redarguiu: então esta parte do ‘anexo’ não nos interessa. Não tenho, portanto, nada a negar”, escreve FHC na nota.

Outros quatro ex-presidentes vivos são citados em depoimentos de ex-executivos da Odebrecht em delação premiada: Dilma Rousseff (PT), Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Fernando Collor (PTB) e José Sarney (PMDB).

Fernando Henrique Cardoso disse que não há razões para estar em apuro.

O ex-presidente afirma que objeto a ser apurado e diz que se houvesse, o eventual delito (falsidade ideológica) “já estaria prescrito há muitos anos…”

A reportagem publicada pelo jornal O Globo faz uma radiografia da América Latina pós-Lava Jato e mostra os caminhos da corrupção envolvendo a construtora Odebrecht, no que foi classificado pelo Departamento de Justiça dos Estados unidos como o maior caso de suborno de empresa estrangeira na história.

*Informações do repórter Carlos Aros