Foro e anistia a caixa 2 têm que acabar, defende procurador da Lava Jato

  • Por Jovem Pan
  • 12/04/2017 08h45
Carlos Fernando dos Santos Lima

A corrupção e o combate a essa prática foram temas abordados pelo procurador da força-tarefa da Operação Lava Jato, Carlos Fernando dos Santos Lima, em seminário realizado nesta terça-feira (11), em São Paulo.

Segundo o procurador, as tentativas dos legisladores em anistiar a prática de caixa 2, disfarçam o objetivo de anistiar a corrupção.

Carlos Fernando defendeu o trabalho da Lava Jato e falou sobre o vazamento de informações.

O procurador da força-tarefa também falou que o abuso de autoridade é ferramenta para tentar reprimir o trabalho.

O jurista Modesto Carvalhosa, também presente ao seminário, disse que a corrupção é um problema da cultura adotada pelas empresas e também pelas famílias que controlam grandes companhias, caso da Odebrecht, investigada na Lava Jato. Para ele, é impossível deter o vazamento de informações.

O jurista ainda defendeu o fim do foro privilegiado.

A Proposta de Emenda Constitucional que prevê o fim do foro privilegiado começa a ser discutida no Senado, mas já há movimentos para atenuar a proposta.

Confira a reportagem completa de Fernando Martins: