Fundo Nacional de Transporte quer taxar combustíveis para subsidiar ônibus

  • Por Jovem Pan
  • 10/01/2017 06h54
Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas Gasolina

Fundo Nacional de Transporte Público pode taxar combustíveis para bancar subsídios aos ônibus no Brasil.

A proposta no Congresso Nacional prevê a criação da CIDE (Contribuição de Intervenção do Domínio Econômico) municipal, que incidiria no etanol, gasolina e gás veicular.

São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília atualmente ajudam a pagar a tarifa dos seus passageiros.

Mas os valores crescem ano após ano. Doria manteve a tarifa de R$ 3,80 em 2017, e a capital irá arcar com 43% do sistema. Se apenas os usuários bancassem o ônibus na capital, o valor necessário seria de R$ 6,64.

O presidente da Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos, Otávio Cunha, avaliou que 5% a mais na gasolina ajudariam a bancar 30% do sistema de ônibus no País. “Essa questão, no Brasil, para poder ter solução, é preciso que se crie um fundo nacional para subvenção do transporte público”, disse.

Nas contas dos empresários os carros usam 70% do espaço público das cidades e transportam apenas 20% dos usuários.

Em São Paulo a tarifa foi mantida em R$ 3,80, mas a integração entre os ônibus e trilhos, Metrô e CPTM, será reajustada de R$ 5,92 para R$ 6,80, um aumento de 14,8%, acima dos 6,4% da inflação (IPCA) prevista para o ano.

*Informações do repórter Marcelo Mattos