Governadores não querem anistia a PMs que ficaram aquartelados no ES

  • Por Jovem Pan
  • 16/02/2017 06h29
Vitória (ES) - Clima de tensão durante protesto de moradores em frente ao Comando Geral da Polícia Militar do Espírito Santo em Maruípe. Militares do Exército fazem a segurança da região (Tânia Rêgo/Agência Brasil) Tânia Rêgo/Agência Brasil Aquartelamento de PMs no ES gera caos

Os governadores pedem aos presidentes da Câmara e do Senado para não votarem o projeto de anistia aos policiais militares que fizeram o aquartelamento e jogaram o Espírito Santo na mais grave onda de violência da historia do Estado.

O objetivo da visita dos governadores ao Congresso também foi de pedir urgência ao projeto que regulamenta a rolagem das dívidas dos Estados.

Mas os governadores ampliaram as reivindicações para a securitização das dívidas e aumento da participação dos municípios nos recursos da repatriação e ainda a autorização para o uso dos depósitos judiciais para pagamento de precatórios.

Luiz Fernando Pezão, governador do RJ, disse que conseguiu controlar o Estado, mas agradeceu a presença das Forças Armadas. O vice-governador de SP, Márcio França, ficou otimista com a receptividade dos líderes e presidentes das Casas.

Os governadores se mostraram preocupados com o que aconteceu no ES. Para o governador do DF, Rodrigo Rollemberg, os governadores defenderam punição exemplar para os aquartelados: “os governadores tiraram a posição de solicitação aos presidentes da Câmara e Senado para que não houvesse anistia”.

*Informações do repórter José Maria Trindade