Há um ano, Câmara aprovava a abertura do impeachment de Dilma Rousseff: O que mudou?

  • Por Jovem Pan
  • 17/04/2017 21h08
BRA10. BRASILIA (BRASIL), 16/08/2016 - La presidenta suspendida de Brasil, Dilma Rousseff, se comprometió hoy, martes 16 de agosto de 2016, durante una conferencia ante los medios de comunicación en Brasilia (Brasil), a promover un plebiscito sobre la posibilidad de adelantar las elecciones previstas para 2019, siempre y cuando sea absuelta en el juicio político que enfrenta y recupere el poder. Rousseff anunció ese compromiso durante un pronunciamiento, en el que presentó los términos de la llamada "Carta a los Brasileños", divulgada diez días antes de que el Senado inicie la fase final del proceso que puede terminar con su destitución. EFE/Cadu Gomes EFE/Cadu Gomes Dilma Rousseff lê carta aos senadores e ao povo brasileiro - EFE

Nesta segunda-feira, 17, fez um ano que a Câmara dos Deputados aprovou a abertura do processo de impeachment contra a então presidente Dilma Rousseff (PT). A sessão foi transmitida ao vivo pela Jovem Pan e acompanhada por milhões de brasileiros, que saíram às ruas após o resultado. A votação ficou marcada pelas manifestações fervorosas dos parlamentares.

Dos deputados que participaram da votação em 17 de abril de 2016, 39 apareceram na lista de inquéritos do relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Edson Fachin, divulgada neste mês. Eles são investigados por suspeitas de caixa dois e corrupção, que vieram à luz após a divulgação das delações da Odebrecht.

No 3 em 1, Carlos Andreazza apontou que os deputados, atualmente investigados, acreditavam que, após o impeachment de Dilma Rousseff, o Brasil voltaria ao normal e tudo se reacomodaria. Ele ressaltou que a operação Lava Jato acabou com as esperanças desses parlamentares. Vera Magalhães relembrou que o autor do 342º voto na sessão do impeachment, que garantiu a abertura do processo, deputado Bruno Araújo (atual ministro das Cidades), é um dos 415 políticos citados na delação da Odebrecht. Para Marcelo Madureira, a abertura do impeachment de Dilma Rousseff foi apenas uma etapa na luta do povo brasileiro contra a corrupção. 

Confira o debate completo no 3 em 1: