Haddad só cumpriu metade dos 150km prometidos para corredores de ônibus

  • Por Jovem Pan
  • 05/08/2016 09h07
São Paulo- SP- Brasil- 03/02/2016- A revitalização do corredor de ônibus Inajar de Souza beneficia diariamente 201 mil pessoas. O trajeto que liga o Terminal Cachoeirinha, na zona norte, à região central da capital recebeu 14,6 quilômetros de pistas com novo piso e 28 novas paradas de ônibus, além de 3 quilômetros de ciclovia e 2,9 quilômetros de pista de caminhada. O prefeito Fernando Haddad vistoriou nesta quarta-feira (3) os resultados da obra e testou a viagem de ônibus da Freguesia do Ó até o Largo do Paissandu. “Nós já entregamos cerca de 40 quilômetros de corredores e 490 quilômetros de faixas exclusivas. A cidade hoje está tirando o ônibus do congestionamento. Na medida em que forem liberados os recursos do PAC [Programa de Aceleração do Crescimento], nós vamos transferir os ônibus da faixa à direita para o corredor à esquerda, porque do ponto de vista urbanístico a cidade fica mais organizada”, afirmou Haddad, durante a viagem na linha 9500-10 (Terminal Cachoeirinha - Paissandu). Com a intervenção, o deslocamento entre o terminal e a região central leva atualmente entre 20 e 30 minutos. O novo pavimento rígido instalado no corredor tem mais durabilidade e é mais adequado à alta circulação dos veículos e às frenagens nos pontos. Cerca de 30 linhas de ônibus foram beneficiadas com as obras. “Com esta estrutura, a Inajar de Souza passa a admitir verticalização, porque quando há a instalação do corredor, pelo plano diretor, pode verticalizar. É um ganho para a zona norte, que vai receber investimentos imobiliários com o transporte de massa garantido”, disse Haddad. O asfaltamento das demais faixas das avenidas por onde passa o corredor também foi renovado. A reforma foi realizada não só na avenida Inajar de Souza, mas também nas avenidas Marquês de São Vicente, Norma Pieruccini Gianotti, Ordem e Progresso, Rudge, Rio Branco, no Largo do Paissandu e no Terminal Praça dos Correios. Todas as 28 pa Fabio Arantes / Secom Corredor de ônibus

A mobilidade é uma das áreas que mais tiveram metas cumpridas ou que ficaram muito próximo disso nesses 3 anos e oito meses de governo em SP. Mas há vários projetos relacionados ao transporte público que não saíram do papel ou deixaram a desejar. Corredor de ônibus, por exemplo: o planejado era construir 150km de vias segregadas. Segundo a Rede Nossa SP, a Prefeitura só cumpriu metade do que prometeu até agora.

O que vimos foram faixas exclusivas implantadas em toda a cidade que superaram inclusive as projeções da administração. Na Radial Leste, uma das principais ligações da capital, já deveria estar funcionando um corredor.

Dentro de um coletivo, nós ouvimos as queixas dos passageiros Jamile Silva e Carlos Magno. “O horário de pico, às vezes, a gente chega atrasado para pegar o priemiro ônibus que passa”, disse Jamile. “Tem ônibus que não dá nem para você andar direito”, criticou Carlos.

A diferença entre faixas exclusivas, e agora temos 500km delas na cidade, e corredores é bem grande. Começa pelo preço e termina na eficiência, avaliou o arquiteto urbanista Kazuo Nakano, professor de Desenvolvimento Urbano da FGV.

“É uma solução que você pode não só trabalhar a circulação dos ônibus, mas reorganizar as linhas e hierarquizar. Esses sistema só vai existir quando a gente investir pesadamente, o que não está sendo feito”, explicou.

A administração, no entanto, diz que entre corredores novos, reformados, em obras, contratados ou em vias de contratação são ao todo 170 quilômetros.

Mas há outras mudanças anunciadas que ficaram pra trás. Arco do Futuro, projeto que propõe uma reforma urbana ao longo de grandes corredores de São Paulo buscando atrair investimentos e empregos fora do centro, é uma delas.

Para especialistas, SP precisa continuar investindo em meio que reduzam a dependencia do carro, como ocorre em outras metrópoles do mundo.

Confira a reportagem de Carolina Ercolin: