Interior de SP ganha fábrica de mosquitos Aedes geneticamente modificados

  • Por Jovem Pan
  • 27/10/2016 08h27
EFE/Sebastião Moreira Mosquitos da dengue aedes aegypti geneticamente modificados de Piracicaba - EFE

A empresa que produz mosquitos Aedes aegypti geneticamente modificados inaugurou uma nova fábrica em Piracicaba, no interior de São Paulo.

A nova unidade da Oxitec começou a funcionar na quarta-feira (26) e deverá produzir aproximadamente 20 milhões de insetos por semana. A companhia já possuía uma sede em Campinas.

Os mosquitos gerados em laboratório são todos machos, não picam os seres humanos e, por isso, não são capazes de transmitir doenças.

Ao serem liberados, eles procuram se reproduzir com as fêmeas, mas os filhotes desse cruzamento acabam morrendo antes de se tornarem adultos.

A iniciativa, que passou a ser adotada em Piracicaba em julho de 2015, foi bem-sucedida e tem ajudado a reduzir os casos de dengue na cidade.

Segundo a Prefeitura, os casos da doença tiveram redução de 91% no bairro que começou a receber os insetos.

O gerente de negócios da Oxitec no Brasil, Cláudio Fernandes, explicou que o projeto deve chegar, em breve, a outros munícipios do Brasil.

“Nós temos conversas com vários municípios do Estados de SP e de outros. Estamos conversando com vários governos estaduais e temos conversa com o Governo Federal”, disse.

Segundo Cláudio Fernandes, a empresa ainda não tem autorização para comercializar o projeto “Aedes do Bem”.

O contrato com a prefeitura de Piracicaba tem valor superior a R$ 3 milhões, mas a iniciativa também tem caráter de pesquisa, sem finalidade comercial.

A Oxitec aguarda a aprovação da Anvisa, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, para negociar a ampliação do programa com outras prefeituras.

*Informações do repórter Vitor Brown