30 mil policiais de SP farão patrulhamento para evitar festas clandestinas no Carnaval

A fiscalização de aglomerações e de outros eventos é de responsabilidade das prefeituras, mas o governo de João Doria garantiu suporte na ação

  • Por Jovem Pan
  • 13/02/2021 08h19 - Atualizado em 13/02/2021 12h00
JOSE BARBOSA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDONa capital, o prefeito Bruno Covas promete cassar o alvará de estabelecimentos que fizerem festas clandestinas de Carnaval

A Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo vai colocar mais de 30 mil policiais nas ruas até quarta-feira, 17, para dar apoio aos municípios durante o Carnaval. A fiscalização de aglomerações e de outros eventos é de responsabilidade das prefeituras, mas a gestão João Doria garantiu suporte na ação. As cidades do litoral aderiram ao cancelamento do ponto facultativo. De acordo com o secretário de desenvolvimento regional, Marco Vinholi, as prefeituras se comprometeram com a fiscalização. “A questão da manutenção do ponto facultativo não acontecendo nesse ano, nós conseguimos melhorar tanto para os municípios da Baixada Santista quanto Litoral Norte, o fluxo que acontece nesse período. Além disso, aqueles que forem fazer as barreiras sanitárias terão apoio da secretaria de segurança pública do estado e da vigilância sanitária. Todos farão a fiscalização nas suas orlas para que as pessoas utilizem quadros, possa seguir quadro de atividades individuais, tudo isso está sendo trabalho pelos prefeitos e o Estado vai apoiar.”

Na capital, o prefeito Bruno Covas promete cassar o alvará de estabelecimentos que fizerem festas clandestinas de Carnaval. Ele ressalta que o município está à disposição do governo estadual para ajudar na fiscalização. “A prefeitura de São Paulo está à disposição da Secretaria de Segurança Pública para ajudar e colaborar no que for possível, lembrando que é prática de crime, previsto no Código Penal. A prefeitura pode entrar complementando a fiscalização, por exemplo, com a cassação do alvará, mas a coibição de festas é prática de crime e responsabilidade da Secretaria de Segurança do Estado de São Paulo”, disse.

Ainda nesta sexta-feira, Bruno Covas anunciou um plano de ajuda para escolas de samba que terão prejuízos com a suspensão da festa. De acordo com a secretaria municipal da Cultura, o plano de amparo ao setor em 2021 prevê investimentos de R$ 100 milhões. O secretário Alê Youssef vai conversar com a Liga das Escolas de Samba para encontrar soluções que amenizem os problemas. “É uma ampla articulação que vai ser feita com a Liga das Escolas de Samba para que a gente consiga também construir alternativas de mitigação a partir da constatação que não teremos os desfiles das escolas de samba esse ano”, disse.

O governo de São Paulo fez um apelo para que a população respeite os protocolos sanitários como o uso de máscaras, higienização das mãos e distanciamento social, principalmente nos próximos dias. O estado registrou queda de 9% dos novos casos e redução de 6% nas internações. No entanto, os óbitos tiveram aumento de 5%, ainda como resultado das aglomerações de fim de ano.

*Com informações da repórter Nanny Cox