56ª fase da Operação Lava Jato apura superfaturamento em construção de sede da Petrobras em Salvador

  • Por Jovem Pan
  • 23/11/2018 09h21
Arquivo/Agência BrasilA Polícia Federal cumpre 68 mandados de busca e apreensão, 14 de prisão temporária e oito de prisão preventiva

Foi deflagrada na manhã desta sexta-feira (23) a 56ª fase da Operação Lava Jato, que apura o superfaturamento na construção da nova sede da Petrobras em Salvador, na Bahia. A fase foi batizada de “Sem Fundos”, por conta da perda do Fundo de Pensão da Petrobras.

A cunhada do ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, foi presa temporariamente. Marice Correa foi detida em São Paulo. Mario Cesar Suarez, da OAS, foi preso preventivamente em Salvador. O ex-presidente da Petros e Correios, Vagner Pinheiro Oliveira, foi alvo de busca e apreensão.

A Polícia Federal cumpre 68 mandados de busca e apreensão, 14 de prisão temporária e oito de prisão preventiva. As ordens judiciais são cumpridas nos Estados de SP, MG, RJ e BA.

Segundo a Polícia Federal, houve ainda superfaturamento nos contratos de gerenciamento da construção, de elaboração de projetos de arquitetura e de engenharia. Os valores eram direcionados para viabilizar os pagamentos de vantagens indevidas para agentes públicos da Petrobras, do PT e dirigentes da Petros.

Os crimes investigados nesta fase são corrupção ativa, passiva, gestão fraudulenta de fundo de pensão, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

De acordo com a PF, o Fundo Petrobras de Seguridade Social – Petros, mediante parceria com a estatal, investiu na execução da obra para alugar o prédio por 30 anos.

Tanto o valor da execução da obra como do aluguel à estatal foram acima do devido. Os investigados direcionavam parte dos valores obtidos para o pagamento de propinas.