78% dos eleitores de SP avaliam governo Temer como ruim ou péssimo, aponta pesquisa

  • Por Jovem Pan
  • 18/07/2018 07h56
EFE/Joédson AlvesApesar da leve melhora no comparativo com a análise anterior, feita no mês de junho, o governo segue mal avaliado por grande maioria dos eleitores ouvidos

Nesta quarta-feira (18), foi divulgada mais uma pesquisa do Instituto Paraná Pesquisas com eleitores do Estado de são Paulo para saber a avaliação da administração do presidente Michel Temer. Apesar da leve melhora no comparativo com a análise anterior, feita no mês de junho, o governo segue mal avaliado por grande maioria dos eleitores ouvidos: mais de 78% dos eleitores ouvidos consideram o governo Temer ruim ou péssimo.

Apesar de negativos, os números mostram uma melhora, mesmo que ínfima, da avaliação. Em junho, as avaliações péssimas ou ruins do presidente alcançavam 82%. Além disso, 90% das pessoas ouvidas diziam desaprovar a administração. Agora, este número caiu para 87,2%

Nas divisões etárias, de gênero e instrução, nota-se maior aprovação de Temer entre os homens, na faixa etária acima de 60 anos e com grau de instrução baixo. Por outro lado, a desaprovação é maior entre as mulheres, nas pessoas entre 16 e 24 anos e com Ensino Médio completo.

Dados da pesquisa

O universo desta pesquisa abrange os eleitores do Estado de São Paulo e tem o objetivo de consultar à população sobre a avaliação da administração Federal.

Para a realização desta pesquisa foi utilizada uma amostra de 2.000 eleitores, sendo esta estratificada segundo sexo, faixa etária, grau de escolaridade e nível econômico. O trabalho de levantamento de dados foi feito através de entrevistas pessoais com eleitores com 16 anos ou mais em 84 municípios durante os dias 12 a 17 de julho de 2018, sendo auditadas simultaneamente à sua realização, 20,0% das entrevistas.

Tal amostra representativa do Estado de São Paulo atinge um nível de confiança de 95,0% para uma margem estimada de erro de aproximadamente 2,0% para os resultados gerais. Para a seleção da amostra utilizou-se o método de amostragem estratificada proporcional. Conforme o mapeamento do Estado em 15 mesorregiões homogêneas segundo o IBGE, considerou-se esta divisão geográfica como primeira estratificação. Dentro de cada mesorregião, agruparam-se os municípios em grupos homogêneos, procedendo-se à estratificação proporcional final da amostra. A Paraná Pesquisas encontra-se registrada no Conselho Regional de Estatística da 1ª, 2ª, 3ª, 4ª, 5ª, 6ª e 7ª Região sob o nº 3122/18.

A amostra é representativa dos moradores das áreas pesquisadas e foi selecionada em três etapas. Na primeira etapa realizou-se um sorteio probabilístico dos municípios onde as entrevistas foram realizadas através do método PPT (Probabilidade Proporcional ao Tamanho), considerando a população eleitora com 16 anos ou mais residente nos municípios como base para essa seleção. Na segunda etapa, fez-se um sorteio probabilístico dos setores censitários, onde as entrevistas foram realizadas, através do método PPT (Probabilidade Proporcional ao Tamanho), tomando a população eleitora de 16 anos ou mais residente nos setores como base para essa seleção. Na terceira etapa, a seleção dos entrevistados dentro do setor censitário, foi feita utilizando-se quotas amostrais proporcionais, em função das seguintes variáveis: sexo, faixa etária, escolaridade e nível econômico.