Acusada de envolvimento em assassinato de jornalista, prefeita de Santa Luzia (MG) é presa

  • Por Jovem Pan
  • 08/09/2017 09h10
Além da prefeita, outras três pessoas também foram presas: David Santos Lima; Alessandro de Oliveira Souza; e Gustavo Soares Silva

Novo escândalo atinge a cidade de Santa Luzia, na região metropolitana de Belo Horizonte. Nesta quinta-feira (07), a prefeita Roseli Ferreira Pimentel (PSB) foi presa, suspeita de ter participação na morte do jornalista Maurício Campos Rosa, em agosto do ano passado. Ele trabalhava no jornal “O Grito”, que é distribuído gratuitamente em Santa Luzia, e foi assassinado com cinco tiros quando saída da casa de um amigo, no bairro Frimisa.

Roseli foi detida preventivamente por ordem do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, após parecer favorável da Procuradoria de Justiça do Estado, responsável por investigar agentes com foro privilegiado.

Além da prefeita, outras três pessoas também foram presas: David Santos Lima; Alessandro de Oliveira Souza; e Gustavo Soares Silva.

O advogado de Roseli Pimentel, Marcelo Leonardo, destacou que a prefeita não teve envolvimento no homicídio: “a prefeita Roseli é inocente. Semana passada ela prestou depoimento à Polícia Civil. Oportunidade em que negou participação no homicídio em que foi vítima o jornalista em agosto do ano passado”.

Marcelo Leonardo afirmou ainda que aguarda ter acesso à decisão que decretou a prisão preventiva de Roseli Pimentel.

A prefeita teve o mandato cassado cinco vezes, e permanece no cargo devido a uma liminar. Ela e o vice-prefeito, Fernando César Nunes Rezende, do PRB, tem acusações por abuso de poder econômico e uso indevido de meios de comunicação.

Na decisão que decretou a prisão preventiva, o Tribunal de Justiça também de Minas Gerais também determinou o afastamento provisório de Roseli Pimentel. Com isso, o vice, Fernando César Nunes Rezende, assume o comando executivo de Santa Luzia.

*Informações do repórter Matheus Meirelles