Afastamento de médicos infectados coloca atendimento em risco

  • Por Jovem Pan
  • 13/04/2020 06h41 - Atualizado em 13/04/2020 08h56
Justin Lane/EFEO Ministério da Saúde estima que mais de dois milhões de profissionais da saúde e de segurança, assim como os familiares, podem ser contaminados

Relatos de médicos e enfermeiros infectados ou com suspeita de coronavírus se espalham e colocam em xeque a capacidade de atendimento pelo país.

O Ministério da Saúde estima que mais de dois milhões de profissionais da saúde e de segurança, assim como os familiares, podem ser contaminados.

Estados como Pernambuco, Ceará, Santa Catarina e Espírito Santo vêm registrando uma alta no número de médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem que estão fora do trabalho por suspeita de contaminação.

Só no Rio de Janeiro, quase mil e duzentos profissionais da rede pública já foram afastados com sintomas da covid-19.  Segundo um estudo realizado pela UFRJ, o estado pode ser obrigado a reduzir a assistência aos pacientes por falta de profissionais nas próximas semanas.

Em São Paulo, mais de três mil profissionais já apresentaram quadros de síndrome gripal ou respiratória, em pouco mais de um mês desde o primeiro caso positivo da Covid-19 no Brasil.  Até o início de abril, quase dois mil funcionários foram afastados apenas na rede municipal de saúde.

Segundo o diretor do Sindicato dos Médicos de São Paulo, José Erivalder Guimarães, os números são expressivos tanto na rede pública quanto privada.

De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde, as unidades estaduais seguem todos os protocolos de segurança para profissionais de saúde e pacientes. Em nota, a pasta ressaltou que qualquer colaborador com suspeitas será afastado para proteção da sua saúde e das demais pessoas que frequentam a unidade.

A falta de máscaras, luvas, óculos e aventais também vem contribuindo para os altos índices de contaminação entre esses profissionais. Entretanto, o Secretário de Estado da Saúde, José Henrique Germann, garante que há estoque desses equipamentos para pelo menos um mês.

Na última semana, a Justiça de São Paulo determinou o afastamento de enfermeiros do grupo de risco para o novo Coronavírus que trabalham com acesso insuficiente aos equipamentos de proteção individual. O prazo para o cumprimento da decisão judicial termina nesta segunda-feira (13)

O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo criou canais de denúncia para que médicos e profissionais de saúde possam relatar falta de insumos, equipamentos de proteção ou irregularidades no ambiente de trabalho.

Segundo o Cremesp, mais de 300 denúncias já foram recebidas desde o início da pandemia no Brasil. Uma outra plataforma com a mesma finalidade também já está funcionando. Segundo o Conselho Federal de Medicina, os primeiros dados serão divulgados ainda nesta semana.

*Com informações da repórter Letícia Santini