AGU e PGR querem divulgação apenas parcial de reunião citada por Moro

  • Por Jovem Pan
  • 15/05/2020 06h11 - Atualizado em 15/05/2020 07h14
Gabriela Biló/Estadão ConteúdoA defesa de Sergio Moro, no entanto, se manifestou de forma contrária, afirmando que todo o arquivo deve ser divulgado

Em resposta a um pedido do ministro Celso de Mello, do STF, tanto a AGU quanto a PGR se manifestaram a favor da divulgação apenas parcial do vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril.

Em depoimento, o ex-ministro Sergio Moro disse que o vídeo provaria a interferência política do presidente Jair Bolsonaro na Polícia Federal. Ao se pronunciar, o advogado-geral da união, José Levi, defendeu que apenas dois trechos com declarações de Bolsonaro têm relação com o inquérito.

A AGU pede que as falas dos demais participantes da reunião não sejam divulgadas pois não teriam ligação com o caso. Na petição encaminhada ao STF, a AGU transcreveu os trechos que considera relevantes para a investigação.

No primeiro, Bolsonaro diz que não estava recebendo informações da PF e iria “interferir para fazer “trocas na segurança”. No segundo trecho, o presidente reclama que não poderia ser “surpreendido com notícias”.

O procurador-geral da república, Augusto Aras, foi na mesma linha e defendeu a retirada do sigilo apenas das falas de Bolsonaro relacionadas ao inquérito.

Aras alegou que as investigações podem servir, de forma oportunista, como palanque eleitoral precoce para as eleições de 2022. Para o PGR, tudo que não diz respeito aos fatos investigados de ser mantido sob sigilo.

O procurador-geral da república ainda justificou que a divulgação integral pode politizar a própria atuação das instituições de estado responsáveis pela condução dos trabalhos.

A defesa de Sergio Moro, no entanto, se manifestou de forma contrária, afirmando que todo o arquivo deve ser divulgado. O advogado do ex-ministro afirmou ainda que a petição omite o contexto do diálogo e trechos relevantes para a compreensão. Para ele, transcrição parcial reforça a necessidade urgente de liberação da integralidade do vídeo.

Durante a live desta quinta-feira (14), o presidente Jair Bolsonaro se mostrou tranquilo quanto à divulgação da gravação. O relator, ministro Celso de Mello, pode decidir ainda nesta sexta sobre a divulgação integral ou não do vídeo.

*Com informações da repórter Camila Yunes