Ainda com causas desconhecidas, desabamento de prédio em Surfside completa um mês

Busca por corpos foi finalizada na sexta-feira, após 97 pessoas terem sido encontradas nos escombros e quase todo o local estar limpo

  • Por Jovem Pan
  • 26/07/2021 09h33
EFE/ Giorgio VieraNos últimos dias, um prédio na mesma região foi vistoriado e constatou-se que ele não era habitável

O desabamento do edifício Champlain Towers South, em Miami, nos Estados Unidos, completou um mês no último sábado, 24. Até agora, as causas do acidente não são conhecida. A busca por corpos foi finalizada na sexta-feira, após 97 pessoas terem sido encontradas nos escombros e quase todo o local estar limpo.  Agora, as autoridades devem iniciar os trabalhos de investigação para trazer os culpados pelo colapso. Parte do edifício veio abaixo no dia 24 de junho e, dias depois, o restante do prédio foi demolido. As famílias estão hospedadas em hotéis da região e já deram entrada em seguros estaduais e federais para ter uma residência — pelo menos um processo já teve valor definido, de US$ 750 milhões.

As autoridades seguem em alerta neste momento e outros três condomínios foram completamente evacuados por questões de segurança — o que resulta em pelo menos 450 pessoas sem moradia. Nos últimos dias, um prédio na mesma região foi vistoriado e constatou-se que ele não era habitável. Dezesseis apartamentos foram totalmente evacuados e os moradores estão dependendo de ONGs e familiares para ter onde dormir e comer. Na Flórida, existe uma corrida contra o tempo para que as inspeções sejam feitas novamente — em especial, nos imóveis que ficam à beira da praia e próximos ao mar.

Esse prédio que foi evacuado, em específico, não passou em uma inspeção obrigatória de 40 anos que aconteceu em 2016 e ainda assim tinha moradores até ontem. Na noite do domingo, 25, amigos e familiares fizeram uma solenidade com músicas em homenagem e memória das vítimas. Ainda não se sabe o que vai acontecer com o local. Alguns moradores defendem que o espaço deve ser vendido, mas outros gostariam que fosse construído um memorial para homenagear as vítimas — assim como já aconteceu no local da Maratona de Boston, em Massachusetts, e das Torres Gêmeas, em Nova York.