Alckmin diz que aumento de salários no STF ‘não é bom’, mas evita polêmica com ministros

  • Por Jovem Pan
  • 11/08/2018 11h00 - Atualizado em 11/08/2018 11h05
EFE/Joédson Alves“Vamos aguardar, porque isso foi apenas discutido no poder Judiciário”, disse Alckmin

O presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) considera inadequado o aumento proposto pelo Supremo Tribunal Federal. Os ministros do STF aprovaram um reajuste de 16,38% para 2019, para subir os salários dos atuais R$ 33,7 mil para mais de R$ 39 mil.

“Eu entendo que, embora o pleito possa ser justo, o problema é que ele não é limitado aos 11 ministros do Supremo. Com as vinculações que existem no Brasil, ele tem um reflexo grande em outros cargos”, ponderou Alckmin.

“É claro que não é bom, porque num momento de contensão, de dificuldade fiscal (o aumento) não é o ideal, e quem está no topo da pirâmide acaba servindo de exemplo”, disse o ex-governador paulista.

Esse aumento precisa ser aprovado pelo Congresso e sancionado pelo presidente da República, Michel Temer. E Alckmin evitou a polêmica ao ser questionado se vetaria ou recomendaria a bancada tucana a votar contra o reajuste no Congresso.

“Vamos aguardar, porque isso foi apenas discutido no poder Judiciário”, disse Alckmin. “Acho que isso pode até ser rediscutido no Judiciário e claro que não é o momento para isso”, afirmou.

O impacto no supremo tribunal federal é de R$ 2,870 milhões em 2019, nos salários dos 11 ministros. Mas como esse vencimento é balizador para outros salários da esfera pública, bem como nos legislativos de todo o país, muitos outros milhões de reais (um efeito cascata de até R$ 4 bilhões) que o contribuinte terá de arcar s aumentos salariais semelhantes.

Com informações de Marcelo Mattos ao Jornal da Manhã

Acompanhe a cobertura completa das eleições 2018!