Alckmin e Temer se reúnem para acertar saída “respeitosa” do PSDB do Governo

  • 02/12/2017 09h07
HÉLVIO ROMERO/ESTADÃO CONTEÚDOTemer precisa dos 46 deputados do PSDB para alcançar 308 votos e aprovar a reforma da Previdência

O presidente Michel Temer e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, se reúnem neste sábado (2) em Limeira, no interior paulista, para discutir como deverá ser a melhor forma de o PSDB deixar os ministérios.

O governador tucano deve assumir o posto de presidente nacional da sigla na próxima semana. Alckmin já disse publicamente que o partido deve deixar o Governo.

Há três ministros tucanos: Aloysio Nunes, nas Relações Exteriores, Antonio Imbassahy, na Secretaria de Governo e Luislinda Valois, nos Direitos Humanos. A única indefinição é sobre a saída do ministro Aloysio. Ele pode ser mantido no Itamaraty como nome da cota pessoal do presidente Michel Temer. Inclusive, essa posição foi defendida nesta semana pelo ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha.

Portanto, tudo tem sido organizado para que o PSDB deixe a esplanada de forma organizada e respeitosa. Isso é para evitar um desgaste ainda maior entre os tucanos e o Palácio do Planalto.

Temer precisa dos 46 deputados do partido para alcançar 308 votos e aprovar a reforma da Previdência. Esse assunto também deverá ser discutido no encontro. O PSDB ainda não decidiu se fechará questão pela aprovação da reforma.

Essa decisão pode vir nos próximos dias. Mas a expectativa de aprovação da proposta ainda esse ano começa a cair. A ideia do Governo era votar o primeiro turno no próximo dia 6.

Mas a votação já foi desmarcada. Hoje, até mesmo líderes da base aliada consideram muito difícil que a reforma seja pautada em 2017. Na semana passada, após apresentar o novo texto, o relator, Arthur Maia, do PPS, disse que caso a proposta fique para o próximo ano, ela dificilmente será aprovada.

Com informações do repórter Jovem Pan em Brasília, Arthur Scotti

Alckmin afirma que reforma da Previdência terá apoio do PSDB

Alckmin precisa do PMDB de Temer, e Temer precisa do PSDB de Alckmin

Governo ainda não joga a toalha, mas reforma da Previdência deve mesmo ficar para 2018

Pela reforma da Previdência, Alckmin precisa arrancar compromissos de seus liderados