Alesp corre contra o tempo para votar previdência e orçamento

  • Por Jovem Pan
  • 11/12/2019 08h19
Reprodução/ALESPA promessa da mesa diretora de não votar o orçamento é questionada por deputados que lembram que 2020 é um ano eleitoral

A mesa diretora da Assembleia Legislativa de São Paulo ainda aguarda a derrubada da liminar que suspende a tramitação da PEC da Reforma da Previdência.

O governador do Estado, João Doria, pretende resolver o tema ainda em 2019, mas o tempo joga contra. O presidente da Alesp, Cauê Macris, promete não debater nenhum projeto antes da alteração nas aposentadoria dos servidores.

Ele poderia adiar o recesso parlamentar, que é autorizado após a votação do orçamento. A base tucana esvaziou a sessão numa tentativa de análise do segundo projeto da reforma, fora da liminar, mas a oposição manteve o expediente.

O líder do PT, Teonínilio Barba, garante mobilização por mudanças no projeto. “Nós vamos continuar obstruindo e torcendo pra liminar não ser cassada. Se o presidente usar do seu bom senso, ele joga o debate para o ano que vem. Ele não precisa entrar no desgaste está entrando.”

O deputado Danilo Balas (PSL), que atuou na PM e é Policial Federal, questiona o impacto do texto as categorias. “Esses projetos retiram direitos fundamentais do servidor público. Esse é um dos motivos que me posiciono contrário.”

A promessa da mesa diretora de não votar o orçamento é questionada por deputados que lembram que 2020 é um ano eleitoral e dificilmente o Governo gostaria da repetição da peça orçamentária de 2019.

O órgão especial do Tribunal de Justiça se reúne nesta quarta-feira (11) e pode apreciar o recurso da Alesp para o retorno da tramitação da reforma.

*Com informações do repórter Marcelo Mattos