Aliança com centrão é questão de sobrevivência política, diz Luiz Philippe de Orléans

  • Por Jovem Pan
  • 25/05/2020 10h08
Marcos Corrêa/PRPara ele, o limite entre as promessas de campanha e as atuais alianças políticas com o centrão já foi ultrapassado

O deputado federal Luiz Philippe de Orléans e Bragança avaliou as alianças feitas pelo presidente Jair Bolsonaro com o centrão como “questão de sobrevivência política”. De acordo com ele, as duas opções são ou deixar o presidente sobreviver ou deixar o congresso ganhar a agenda política.

Em entrevista ao Jornal da Manhã, Orléans e Bragança também opinou sobre a reunião ministerial do último dia 22 de abril ao afirmar que “o que foi dito na reunião ministerial está em linha com o que a população quer”.

“A população quer ver conteúdo, reformas, uma postura contra o sistema. Eles votaram no Bolsonaro pra isso. Ele reafirmou a missão dele aos ministros. No contexto do vídeo pode ofender aqueles que com mais sensibilidade, mas do ponto de vista politico foi uma reafirmação para a população.”

Para ele, o limite entre as promessas de campanha e as atuais alianças políticas com o centrão já foi ultrapassado. “Ele tem que reconhecer que não tem proposta para jogo honesto, incluindo gente honesta, sem fazer maracutaia de colocar centrão em cargos de orçamento. O jogo agora é outro.”

Luiz Philippe de Orléans e Bragança acredita que, cedendo os cargos, o presidente Bolsonaro deve colocar como contrapartida exigir reformas profundas do sistema político e econômico. “Essa troca precisa estar na mesa, agraciar o centrão com cargos somente por sobrevivência não pode.”

De acordo com ele, a aproximação com o centrão é uma tentativa de “atrair parte dos inimigos para serem amigos” e que, apesar do passado político duvidoso, não se deve fazer pré-julgamentos. “Eu vejo como sinalização negativa, mas precisamos aguardar para ver”, alertou.