Amigos e familiares se despedem de brasileira morta na Nicarágua

  • Por Jovem Pan
  • 06/08/2018 08h07
Reprodução/FacebookA pernambucana se preparava para voltar ao Brasil em 2019

Amigos e parentes da pernambucana Raynéia Lima, de 30 anos, morta na Nicarágua se despediram dela no Cemitério Morada da Paz, em Paulista, no Recife, nesta sexta-feira (03). A estudante de medicina morreu no dia 23 de julho após ser atingida por tiros.

A investigação vai dizer quem efetuou os disparos que, em uma primeira análise, podem ter sido feitos por grupos paramilitares.

A pernambucana se preparava para voltar ao Brasil em 2019.

Emocionada, a mãe de Raynéia levou para o velório uma cópia do diploma dela que estava concluindo a faculdade e fazia residência médica em um hospital de Manágua, capital da Nicarágua.

Pedro Eurico, secretário de Justiça e Direitos Humanos, pediu que o assassinato seja investigado com rigor.

O corpo da jovem chegou ao Recife nas primeiras horas da madrugada desta sexta-feira. Ainda sem entender o que aconteceu Gilson Rocha cobra esclarecimentos da morte da ex-cunhada.

O Estado de Pernambuco ingressou com uma representação na Corte Interamericana de Direitos Humanos através do Ministério das Representações Exteriores. Além de buscar esclarecimentos, o Itamaraty convocou a embaixadora da Nicarágua no Brasil, Lorena Martínez, para dar explicações.

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos e o Escritório do Alto Comissário das Nações Unidas responsabilizaram o governo da Nicarágua por assassinatos, execuções extrajudiciais, maus tratos, possíveis atos de tortura e prisões arbitrárias.

*Informações da repórter Victor Moraes