Anvisa concede registro ao medicamento Spinraza para tratamento de síndrome rara

  • Por Jovem Pan
  • 29/08/2017 07h54
Para importação, uma ampola da droga custa em torno de 125 mil dólares, e as seis doses necessárias para o tratamento anual custam quase 3 milhões de reais

Medicamento que custa milhões de reais para tratar doença rara é aprovado pela Anvisa e poderá ser comercializado no Brasil.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária validou o registro do Spinraza, o primeiro remédio para tratamento da Atrofia Muscular Espinhal, a AME.

Para importação, uma ampola da droga custa em torno de 125 mil dólares, e as seis doses necessárias para o tratamento anual custam quase 3 milhões de reais.

A AME é uma doença que afeta o sistema nervoso e causa degeneração de neurônios motores até o ponto de o paciente não conseguir se mover ou mesmo respirar.

A síndrome grave afeta um a cada dez mil bebês nascidos, e é o caso da Maya, que tem apenas 6 meses.

Assim como outras famílias, os pais da criança fizeram uma campanha nas redes sociais para arrecadar dinheiro a fim de custear o tratamento.

Para Luiz Carlos Begliomíni Junior, o pai da Maya, a notícia da aprovação do medicamento na Anvisa chegou como um presente: “a gente começou a receber SMS com o link da aprovação da Anvisa. É emocionante mesmo”.

Mesmo com a boa notícia, a família da Maya ainda não pode comemorar.

O remédio precisa passar por várias questões burocráticas antes de estar apto para a comercialização: “para a Maya, nada muda a princípio, porque ela está em luta contra o tempo. Acho que isso ainda terá burocracia para ser enfrentada”.

O menino Joaquim Marques, de Ribeirão Preto, também tem a AME, e com a vaquinha online conseguiu arrecadar o valor para um ano de tratamento. O bebê recebeu ajuda de artistas que impulsionaram as campanhas nas redes sociais.

Com a aprovação do medicamento no País, as famílias desses pacientes com a doença esperam que o tratamento seja mais acessível e mais barato.

A Biogen Brasil, empresa detentora do registro no país, ressalta que o remédio ainda vai passar pelo processo de regulação de preço da Anvisa.

A farmacêutica destaca que pretende solicitar a disponibilização do medicamento no SUS, mas que a decisão cabe ao Ministério da Saúde.

Em nota, o diretor-presidente da Anvisa, Jarbas Barbosa, ressalta que agora “a empresa tem a responsabilidade de oferecer o Spinraza a um preço justo, para que as pessoas possam ter acesso ao medicamento rapidamente”.

*Informações da repórter Marcella Lourenzetto