Ao aumentar rombo, Governo escolhe caminho de menor resistência, diz ex-diretor do BC

  • Por Jovem Pan
  • 14/08/2017 09h22
"Fica difícil justificar o motivo pelo qual Governo está fazendo isso”, disse

O Governo deve anunciar nesta segunda-feira (14) um aumento no déficit da meta fiscal de R$ 139 bilhões para R$ 159 bilhões. Há ainda a expectativa de que o aumento possa chegar a R$ 170 bilhões.

Em entrevista exclusiva ao Jornal da Manhã, o ex-diretor de Assuntos Internacionais do Banco Central, o economista Alexandre Schwartsman, afirmou que o Governo escolhe o caminho de “menor resistência” ao optar por aumentar o rombo das contas públicas, previsto para R$ 159 bilhões – deve ser anunciado nesta segunda-feira (14).

“Eles estão escolhendo o caminho de menor resistência. O gasto público, na primeira metade do ano, não caiu. Ele subiu. Fica difícil justificar o motivo pelo qual está fazendo isso”, disse.

Questionado se não seria necessário analisar a qualidade dos gastos, e planejar melhor como eles serão feitos, o economista relembrou que isso “não é fato novo e faz com que tenhamos um conjunto de gastos obrigatórios que cresce todos os anos”.

“A gente acaba optando pelo corte burro, corte de investimentos, de serviços, das Forças Armadas. É um negócio paradoxal. A gente gasta muito, mas gasta pouco nas áreas que precisamos gastar”, explicou.

Para Schwartsman, R$ 20 bilhões a mais no déficit da meta fiscal são juros em cima de R$ 20 bilhões a mais no orçamento: “não estamos nem perto de abater a dívida”.

Confira a entrevista completa: