Ao menos 156 casos de violência contra jornalistas foram registrados em 2018, diz Abraji

  • Por Jovem Pan
  • 23/01/2019 06h59
PixabayOs dados são de um levantamento da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo

Pelos menos 156 casos de violência contra jornalistas no país foram registrados em 2018. Os dados são de um levantamento da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo.

Foram 85 ataques por meios digitais e 71 casos de agressões físicas, a maior parte deles registrados cobertura de manifestações ou de eventos de grande repercussão ligados às eleições.

Nos casos de violência virtual, 91% das agressões foram de exposição indevida de jornalistas, quando os internautas compartilham fotos ou perfis, acusando os profissionais de serem de esquerda ou de direita e incentivando ofensas.

A ABRAJI destacou em seu levantamento os ataques a jornalistas durante a cobertura da prisão do ex-presidente Lula, em Curitiba, quando 19 profissionais foram hostilizados ou agredidos por apoiadores do ex-presidente.

Outro caso também apontado foi o da jornalista Patrícia Campos Mello, da Folha de S. Paulo. A repórter foi vítima de ataques direcionados nas redes sociais, após a publicação da matéria “Empresários bancam campanha contra o PT pelo WhatsApp”.

Para a gerente-executiva da ABRAJI, Marina Atoji, as agressões provam que existe um desconhecimento do trabalho do jornalista. Ela ainda afirmou esperar que o número de agressões diminua com o amadurecimento do processo democrático e com a percepção da importância do papel do jornalismo.

*Informações do repórter Victoria Abel