Ao menos sete ministros britânicos estão envolvidos em escândalos de assédio sexual

  • Por Ulisses Neto/Jovem Pan
  • 31/10/2017 07h50 - Atualizado em 31/10/2017 09h51
EFE/Sargento Rupert Frere EFE/Sargento Rupert Frere Praticamente todos os jornais de Londres falam nesta terça-feira (31) sobre uma possível infestação de predadores sexuais nos corredores do Palácio de Westminster

Na Inglaterra não tem Lava Jato, mas nem por isso os parlamentares estão imunes a escândalos que causam muito constrangimento à classe política.

Praticamente todos os jornais de Londres falam nesta terça-feira (31) sobre uma possível infestação de predadores sexuais nos corredores do Palácio de Westminster.

Assim como o que está acontecendo em Hollywood, dezenas de parlamentares britânicos foram acusados de constranger e assediar funcionárias da casa.

Uma lista com 40 nomes de parlamentares conservadores foi elaborada apontando os principais suspeitos das práticas de abuso contra as mulheres.

Alguns já tiveram seus nomes revelados, entre eles o secretário da Defesa, Michael Fallon, que 15 anos atrás colocou a mão no joelho de uma jornalista de rádio chamada Julia Hartley-Brewer. Ela mesma minimizou o incidente ocorrido em um jantar, mas ainda assim a revelação tem causado embaraços para o governo de Theresa May.

A primeira-ministra está sendo pressionada para abrir uma ampla investigação e demitir membros de seu gabinete envolvidos no escândalo de assédio sexual, que seria o maior no país envolvendo políticos dos últimos anos.

Outro ministro, o de Comércio Exterior, Mark Garnier, foi acusado de fazer comentários impróprios sobre os seios de sua secretária e de pedir para que ela comprasse brinquedos em uma sex shop para ele.

No total, pelo menos sete ministros estão envolvidos no escândalo que é só mais uma dor de cabeça para a primeira-ministra britânica, Theresa May, em meio às negociações nada amigáveis de separação da União Europeia.