Apesar de ameaça de Teerã, secretário acredita em solução negociada

  • Por Jovem Pan
  • 25/07/2019 08h22
Divulgação/Portos do ParanáO Irã é um grande comprador de commodities brasileiras e as duas embarcações estão paradas no Porto de Paranaguá, no Paraná, há mais de 50 dias

O Irã está ameaçando cortar relações comerciais com o Brasil por conta de navios que estão parados a quase dois meses no litoral brasileiro sem combustível. A ameaça foi feita durante uma entrevista a agência de notícias Bloomberg por representantes diplomáticos do Irã.

A Petrobras se vê impedida de conceder combustível náutico para as embarcações porque o Irã está sob sanção dos Estados Unidos. E a Petrobras tem papéis, ações, ADRs negociados na Bolsa de Nova York.

Para a negociação é preciso respeitar uma série de premissas e requisitos. Se a Petrobras tiver relações comerciais com empresas ou países sob sanção norte-americana ela pode ser penalizada.

O caso foi parar na Justiça brasileira. O Irã é um grande comprador de commodities brasileiras e as duas embarcações estão paradas no Porto de Paranaguá, no Paraná, há mais de 50 dias.

Nesta quarta-feira (25), o secretário de Comércio Exterior do Ministério da Economia, Lucas Ferraz, afirmou que acredita em uma solução conciliada para esse impasse e não acredita na possibilidade de ruptura comercial entre Brasil e Irã.

O secretário acrescentou que é preciso pesar o fato de o Irã, embora ser um grande parceiro comercial do Brasil, os Estados Unidos é o terceiro maior, atrás apenas da União Europeia e da China. Os iranianos não estão nem entre os 15 primeiros.

*Com informações do repórter Rodrigo Viga