Apesar de aval, deputada norte-americana desiste de visita a Israel

  • Por Jovem Pan
  • 17/08/2019 12h10
EFERashida Tlaib e Ilhan Omar

Nesta sexta-feira (16), o governo de Israel autorizou a visita da deputada norte-americana Rashida Tlaib ao país, mas ela se recusou a viajar, dizendo que foram impostas condições opressivas para que a viagem acontecesse.

Rashida e Ilhan Omar, ambas deputadas do partido democrata foram convidadas a visitar Israel por uma deputada palestina. Elas apoiam um movimento que se opõe à ocupação israelense na Cisjordânia. A lei de Israel permite que o governo barre pessoas que apoiam o movimento.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, também pressionou para que a entrada das parlamentares fosse proibida. No Twitter, ele disse que Ilhan e Rashida odeiam Israel e os judeus, e que deixá-las entrar seria uma “demonstração de fraqueza” de Israel.

Depois da fala de Trump, na quinta-feira (15) o governo israelense proibiu a vista da dupla. O Ministério do Interior de Israel disse que Rashida Tlaib, que tem familiares no país, escreveu uma carta explicando que a visita poderia ser a última chance de se encontrar com a avó, que tem mais de 90 anos de idade.

Ele, então, permitiu a entrada da parlamentar em caráter humanitário. Em contrapartida, ela teria se comprometido a respeitar quaisquer restrições mas, nesta sexta-feira (16), ela disse que se recusa a viajar nessas circunstâncias, que considera “opressivas”. No Twitter, ela publicou: “Me silenciar e me tratar como uma criminosa não é o que minha avó iria querer para mim. Visitá-la nessas condições opressivas iria contra tudo que eu acredito”, escreveu.

*Com informações da repórter Mariana Janjácomo