Apesar de melhora nas expectativas, micro e pequena indústria ainda sofre com crédito escasso

  • Por Jovem Pan
  • 23/12/2019 08h17 - Atualizado em 23/12/2019 08h46
Agência BrasilNum levantamento do Simpi houve o apontamento de que o índice de satisfação alcançou a melhor marca desde abril de 2014

Apesar de melhora nas atividades e elevação do otimismo, as micro e pequenas indústrias ainda sofrem com a falta de capital de giro e crédito escasso.

O presidente do Simpi (Sindicato da Micro e Pequena Indústria do Estado de São Paulo), Joseph Couri, indica que um grande passo foi dado com a aprovação da reforma da previdência – mas, segundo ele, ainda há muito o que fazer para que a economia volte a crescer com maior robustez.

De acordo com Couri, o otimismo e a expectativa futura de melhora bate os recordes mais elevados desde abril de 2014. Isso significa que o otimismo esta crescente, mas esses dados ainda não agiram sobre os outros indicadores.

“Por exemplo, o cheque especial continua sendo a maior modalidade de capital de giro, não se chegou ainda em outros indicadores – como emprego -, não contaminou ainda outros indicadores como vendas futuras, crescimento econômico. E, no aspecto dos investimentos, houve uma queda substancial.”

Num levantamento do Sindicato da Micro e Pequena Indústria do Estado de São Paulo houve o apontamento de que o índice de satisfação alcançou a melhor marca desde abril de 2014,  com 118 pontos.

Os resultados da pesquisa são referentes à avaliação da empresa, faturamento e margem de lucro.

*Com informações do repórter Daniel Lian