Após BBC cair em pegadinha, UE prepara série de medidas para punir quem divulga fake news

  • Por Ulisses Neto/Jovem Pan
  • 02/04/2018 09h05
ReproduçãoNeste domingo foi a vez da BBC cair na história publicada pelo The Guardian dizendo que uma empresa italiana iria lançar emojis especiais sobre o Brexit

Neste domingo foi 1º de abril, dia da mentira, e como acontece todos os anos jornais e grandes empresas usaram a data para pregar peças nos incautos.

É uma tradição forte e antiga no Reino Unido e mesmo assim todo ano tem gente que cai nas brincadeiras.

Ontem, foi a vez da BBC cair na história publicada pelo The Guardian dizendo que uma empresa italiana iria lançar emojis especiais sobre o Brexit, o dos favoráveis à separação seria de um bulldog fumando charuto e com um chapéu a bandeira britânica e o dos europeus um smile azul com estrelinhas douradas e a típica boina francesa.

Tudo piada, claro, que depois a BBC teve que se retratar no ar.

Mas não deixa de ser irônico que a maior emissora pública do mundo ainda caia nesse tipo de lorota, que não deixa de ser uma espécie de fake news.

A questão fica mais complexa quando as notícias falaciosas são divulgadas com a intenção de tumultuar o ambiente político e, principalmente, alterar o ânimo dos eleitores.

Por isso, a União Europeia está preparando uma série de medidas para punir as empresas de mídias sociais que propagam as fakes news.

Segundo o jornal Financial Times, o bloco quer mais transparência nos algoritmos das redes sociais, que grosso modo são responsáveis por determinar o que aparece em qual momento no seu feed do Facebook, por exemplo.

A União Europeia também quer que as redes sociais deixem claro quem está patrocinando a publicação de determinado post.

A ideia é fazer com que essas e outras regras já estejam em prática antes das próximas eleições para o Parlamento Europeu em 2019.

Mas além disso, vários países europeus já estão tomando medidas individualmente para tentar impedir a propagação das fake news, com destaque para a Alemanha, que implementou multas pesadas para as redes sociais que não retirem conteúdo falso do ar em poucas horas.

Uma pesquisa citada pelo Financial Times aponta que mais de um terço dos europeus cruzam com informações falaciosas nas redes sociais todos os dias, o que dá uma dimensão do problema ao redor do mundo.