Após novas polêmicas, príncipe Andrew se retira de obrigações reais por tempo indeterminado

  • Por Ulisses Neto/Jovem Pan
  • 21/11/2019 09h24 - Atualizado em 21/11/2019 09h45
EFE/EPA/FACUNDO ARRIZABALAGANo sábado, o príncipe decidiu falar com a BBC para tentar pôr fim às especulações envolvendo o nome dele, mas o tiro saiu pela culatra

A soberba é uma postura que a sociedade britânica raramente engole – isso vale para a classe política e vale também para a família real. Depois da desastrosa entrevista dada à BBC no final de semana passado, o príncipe Andrew não resistiu à pressão da opinião pública.

O terceiro filho da rainha Elizabeth II anunciou que está se retirando de todas as atividades oficiais da realeza por tempo indeterminado.

Andrew é acusado de ter cometido abuso sexual contra uma adolescente de 17 anos em 2001. O caso é de conhecimento público há bastante tempo – assim como os rumores de comportamento impróprio do herdeiro da coroa britânica.

Ocorre que Andrew também era amigo íntimo do financista americano Jeffrey Epstein, que se matou na cadeia em agosto passado. Epstein foi condenado por diversos crimes sexuais e o FBI continua investigando a extensão dos crimes cometidos por ele.

No sábado (16), o príncipe Andrew decidiu falar com a BBC para tentar pôr fim às especulações envolvendo o nome dele. O tiro saiu pela culatra porque Andrew demonstrou total desconexão com a realidade, apresentando álibis frágeis para se defender.

Mais que isso, o príncipe ainda desprezou as vítimas de seu antigo amigo, ainda que tenha se declarado inocente das acusações.

Diversas empresas e universidades britânicas cortaram laços com programas sociais da família real nos últimos dias. O caso disparou uma séria crise de credibilidade para os Windsor e Andrew reconheceu isso em um pronunciamento divulgado nesta quarta-feira (20).

O príncipe afirma que a rainha o liberou de suas obrigações reais – o que significa que ele não deve participar de eventos públicos tão cedo. Andrew também garante que está à disposição do FBI para prestar informações sobre sua relação com Epstein.

Em tese, essa ajuda é crucial para que os investigadores consigam identificar mais vítimas do banqueiro americano. Mas isso é só em tese mesmo, porque Andrew só demonstrou algum arrependimento agora que a pressão popular ficou insustentável.

Na prática, ainda parece pouco provável que ele esteja disposto a revelar os segredos de suas noitadas com o falecido milionário americano.