Arthur Maia: Ministro Paulo Guedes traz para a reforma questões que nada têm a ver com a atualidade

“Em vez de apagar incêndio que existe neste momento, ele fica preocupado com questões futuras”, disse o deputado

  • Por Jovem Pan
  • 17/04/2019 09h38
Antonio Cruz/Agência BrasilArthur Maia disse que o comportamento do ministro da Economia é fora do foco

Relator da reforma da Previdência apresentada pelo Governo de Michel Temer, o deputado Arthur Maia (DEM-BA) criticou a atuação do ministro da Economia, Paulo Guedes, no trato do projeto que tramita na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara e que pode ser votado ainda nesta quarta-feira (17).

Em entrevista exclusiva ao Jornal da Manhã, Arthur Maia lembrou que a sessão desta quarta discute a admissibilidade da matéria e não o mérito, e que deverá ser aprovada menos pela articulação política do Governo e mais pela consciência dos parlamentares.

Arthur Maia disse que o comportamento do ministro da Economia é fora do foco: “ele está trazendo para a reforma da Previdência uma série de questões que não tem nada a ver com a atualidade. Em vez de apagar incêndio que existe neste momento, ele fica preocupado com questões futuras e que prejudicam o andamento da reforma”.

O deputado comparou Paulo Guedes aos bombeiros que atuaram no incêndio da Catedral de Notre-Dame, em Paris, nesta semana. “O comportamento do doutor Paulo Guedes é semelhante ao que seria destes bombeiros. Imagina se os bombeiros parisienses chegassem ali e antes de começar a combater o incêndio eles se reunissem para discutir um plano de prevenção do próximo incêndio”.

Para Maia, o Governo não tem base suficiente para um apoio que garanta que a matéria analisada na comissão vá à votação de forma integral. “É possível que essa reforma que está tramitando agora, quando sair da comissão especial, represente uma economia menor do que a que o nosso projeto aprovado significou. Aí o Governo vai ter a possibilidade de escolher entre os dois projetos qual irá ao plenário. Sinto a base muito fraca em relação à defesa da reforma, e isso vai trazer muitos cortes no texto que o Governo enviou para a Câmara”.

Arthur Maia criticou ainda algumas das propostas feitas por Guedes como a da capitalização: “não pode ser implementada agora, temos uma realidade previdenciária baseada no pacto de gerações. Obviamente que a questão da capitalização é um pensamento que ele tem de mercado, mas é impossível implementar isso nos próximos dez ou 15 anos antes de se ter uma sustentabilidade”.

Confira a entrevista completa com o deputado Arthur Maia: