Baleia Rossi reconhece ‘importância’ de Moro e Leite para união da terceira via

Deputado federal também cita Simone Tebet como candidata com ‘todas as condições’ de liderar o movimento de centro; MDB, PSDB, União Brasil e Cidadania esperam definir nome até 18 de maio

  • Por Jovem Pan
  • 11/04/2022 09h33 - Atualizado em 11/04/2022 10h00
Michel Jesus/Câmara dos Deputados Deputado presidindo sessão da Câmara Baleia Rossi reconhece que outros nomes podem ser cogitados, por serem importantes para a união da terceira ou "melhor via" do centro democrático

O Movimento Democrático Brasileiro (MDB), em conjunto com o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), o União Brasil e o Cidadania, espera definir uma candidatura única para a disputa à presidência da República. A proposta das legendas é definir uma candidatura única, que traga a “pacificação nacional” e apresente um “projeto ao país”, afirmou Baleia Rossi, presidente nacional do MDB. “Fizemos um cronograma para que, dentro do debate, busque um candidato que consiga o consenso entre os partidos, para a gente apresentar um projeto ao país. […] É muito importante que a gente consiga fazer com que tenhamos um só nome para a disputa nesses partidos”, reforçou o deputado federal, em entrevista ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan News, na manhã desta segunda-feira, 11. Segundo ele, além de João Doria pelo PSDB e de Simone Tebet pelo MDB, os partidos também aguardam a indicação de um candidato do União Brasil antes de iniciarem as negociações pelo nome conjunto, que deve ser definido até 18 de maio.

Mesmo com as três possíveis indicações, Baleia Rossi reconhece que outros nomes podem ser cogitados, por serem importantes para a união da terceira ou “melhor via” do centro democrático, como do ex-ministro Sergio Moro e do ex-governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite. “Temos alguns nomes importantes que podem não estar indicados, mas que têm importância no processo de união da terceira via. O ex-ministro Moro é um deles, o Eduardo Leite é outro nome. Deixamos a porta aberta para que outros partidos possam se somar para conseguir uma aliança ainda maior para dar competitividade e musculatura para essa candidatura. Temos outros partidos que poderão participar, mesmo que não indiquem candidato ou candidata. O que nos une é um projeto comum para que a gente deixe de lado essa briga insana entre os extremos. Hoje vemos uma política muito de ódio, agressiva, que infelizmente não está dando resultado positivo para a população”, mencionou o presidente do MDB.

Rossi citou ainda que Simone Tebet, candidata da legenda, tem “todas as condições de liderar esse movimento” em prol da candidatura única, mas reconheceu que a definição de um nome “não é simples e fácil”. “Essa é a nossa intenção. Quem quer receber apoio, [como o ] MDB que coloca o nome da Simone Tebet, acredito que a Simone tem todas as condições de liderar esse movimento, também precisa ter humildade de dar apoio, se for outro nome escolhido”, completou o deputado federal, que considera ainda “cedo” para definir descartar as chances de um candidato da terceira via decolar. “Pregando a pacificação nacional a população vai refletir e dar condições para que a candidatura se viabilize. Se não se viabilizar, vamos fazer essa discussão [sobre quem apoiar entre Lula e Bolsonaro]. No momento correto vamos fazer essa avaliação”, concluiu.