Bancada evangélica pede a Bolsonaro redução do Estado, Escola Sem Partido e reforma da Previdência

  • Por Jovem Pan
  • 25/10/2018 08h17
Dida Sampaio/Estadão ConteúdoO documento ainda propõe uma redução de 29 para 15 ministérios, o que eliminaria, segundo o texto, 600 cargos comissionados

Representantes da bancada evangélica entregaram ao presidenciável Jair Bolsonaro, do PSL, um documento com uma série de pontos defendidos pelo grupo em diferentes temas. Hoje, a frente conta com cerca de 2010 componentes.

Na economia, as principais ideias defendidas são uma Reforma da Previdência com as mesmas regras para as aposentadorias dos setores público e privado e a autonomia do Banco Central.

O documento ainda propõe uma redução de 29 para 15 ministérios, o que eliminaria, segundo o texto, 600 cargos comissionados. Haveria fusões entre os Ministérios da Educação, Cultura, Esporte e Ciência e Tecnologia e novas pastas seriam criadas, como a da Produção Nacional e a da Infraestrutura Nacional. Outras, como a do Trabalho, seriam extintas.

Já na educação, um dos principais pontos é a aprovação do projeto Escola Sem Partido, que tramita na Câmara há dois anos.

O presidente da bancada, deputado Takayama, do PSC, disse que o Estado não deve interferir em assuntos da família: “o Estado não tem que se meter em assuntos que pertencem à família”.

A Frente Parlamentar Evangélica também defende uma reforma tributária, com fusão de alguns impostos e melhor distribuição entre, União, Estados e municípios.

Os deputados evangélicos reafirmaram o apoio público à candidatura de Jair Bolsonaro para Presidente da República.

Confira a cobertura completa das Eleições 2018

*Informações do repórter Levy Guimarães