Bancos se preparam para a chegada do PIX, aposta do BC para agilizar pagamentos

Os primeiros cadastros do novo sistema serão aceitos a partir de outubro e a operação plena começa em 16 de novembro

  • Por Jovem Pan
  • 08/09/2020 07h15 - Atualizado em 08/09/2020 08h18
Marcelo Casall Jr/Agência BrasilEspecialistas recomendam atenção ao usar o celular em ambientes abertos ou com grande concentração de pessoas

Bancos brasileiros já estão se preparando para a chegada do PIX, novo sistema de pagamentos instantâneos que será lançado ainda este ano. Com a plataforma, será possível transferir dinheiro sem restrição de horário e em qualquer dia da semana, sem pagar as tarifas de TED ou DOC. Os primeiros cadastros serão aceitos a partir de outubro e a operação plena começa em 16 de novembro. O chefe de subunidade do Departamento de Regulação do Sistema Financeiro do Banco Central, Diogo Silva, diz que o BC já está trabalhando na nova ferramenta. “Até porque os prazos são desafiadores, então a gente quer quando chegar a proposta para o Banco Central já vem construindo na nossa cabeça o que a gente quer em termos de padrões para que a gente poder colocar na normativa”, explica.

O pagamento pelo novo sistema poderá ser realizado de diferentes formas, sendo que o mais comum será por meio do QR Code. O coordenador do projeto de implantação do PIX do Banco Central, Breno Lobo, diz que as instituições não serão obrigadas a oferecer os códigos como opção para as transferências. “Não tem essa obrigação das instituições participantes ofertarem os QR Code para os estabelecimentos comerciais. Mas, obviamente, é uma fonte de receita para o banco, ele já está adequando todos os seus sistemas, então esperamos que eles ofertem”, afirma. O analista da Unidade de Gestão de Soluções do Sebrae,  Hugo Lumazzini, avalia que a chegada do novo sistema vai aumentar a concorrência entre os bancos. “No final, todos nós somos impactados positivamente porque somos cliente e temos, obviamente, redução de custos, melhoria dos serviços, então isso é muito interessante”, diz. A ideia é que o pagamento via PIX seja oferecido em lojas online, como alternativa ao cartão de crédito ou boleto bancário, esteja disponível em contas de consumo, como água ou luz; e seja usado para o pagamento de impostos e taxas.

*Com informações do repórter Vitor Brown