Barroso: ‘Não podemos fechar os olhos para milícias digitais’

Para o magistrado, o discurso “anti-establishment” da população acaba sendo ‘aproveitado’ por políticos populistas

  • Por Jovem Pan
  • 12/08/2020 06h54 - Atualizado em 12/08/2020 08h04
Carlos Moura/SCO/STF Luís Roberto Barroso também chamou atenção para a crise política que o país atravessa

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, voltou a criticar os grupos que espalham notícias falsas nas redes sociais. Durante um evento online do Instituto dos Advogados Brasileiros nesta segunda-feira, 10, Barroso afirmou que a propagação das “fake news” coloca em risco o sistema democrático brasileiro. “A liberdade de expressão é um valor essencial e que deve ser preservado, mas não podemos fechar os olhos para as campanhas orquestradas e financiadas de destruição das instituições por milícias digitais, por terroristas verbais quando não por simples psicopatas que são incapazes de conviver com o debate público feito de argumentos e precisam se valer da ameaça, da violência e da criação de uma rede de notícias fraudulentas que compromete o direito de informação e a formação da opinião de todas as pessoas”, afirmou. O ministro Luís Roberto Barroso também chamou atenção para a crise política que o país atravessa. Segundo o magistrado, o discurso “anti-establishment” da população acaba sendo ‘aproveitado’ por políticos populistas.

No mesmo debate, a ministra do STF, Carmén Lúcia, disse que a tecnologia ajudou a potencializar discursos antidemocráticos. “O que nós temos  e tivemos sempre aqueles que matavam os que eram adversários, que eram feitos inimigos. Mas agora temos milicias digitais que matam moralmente, que matam todas as formas de pensamento”, opinou. Na opinião da ministra Cármen Lucia, a pandemia da Covid-19 escancarou a irresponsabilidade de determinados políticos.

*Com informações do repórter Leonardo Martins