Bebianno é oficializado como secretário-geral da transição de Governo

  • Por Jovem Pan
  • 14/11/2018 09h35
Wilton Junior/Estadão ConteúdoBebianno atuará como um “número dois” na estrutura da transição, abaixo apenas de Onyx Lorenzoni, ministro extraordinário

O advogado Gustavo Bebianno foi oficializado como secretário-geral da transição do Governo de Jair Bolsonaro. A confirmação está no Diário Oficial da União desta quarta-feira (14).

Bebianno atuará como um “número dois” na estrutura da transição, abaixo apenas de Onyx Lorenzoni, ministro extraordinário.

O novo secretário-geral de transição foi presidente do PSL durante a campanha eleitoral de Jair Bolsonaro e é de confiança do presidente eleito.

O DOU desta quarta traz ainda a equipe da transição, com seis integrantes, para que possam “requisitar informações dos órgãos e entidades da Administração Pública Federal, assim como requisitar apoio técnico administrativo necessário ao regular desenvolvimento dos trabalhos de transição governamental aos servidores”.

Compõem esta equipe os futuros ministros General Augusto Heleno, Paulo Guedes e Marcos Pontes, o secretário-geral de transição, Gustavo Bebianno, o deputado federal eleito Julian Lemos, e o assessor Arthur Bragança Weintraub.

Também são designados quatro assessores para Bebianno na Secretaria-Geral da Transição: Antonio Thomaz Lessa Jr, Luiz Henrique dos Santos Machado, Paulo Uchoa Ribeiro Filho e Rafael Moya Fernandes Lopes.

“Antecipação” de Onyx Lorenzoni

Em um momento de aparente descuido, o ministro extraordinário da transição de governo Onyx Lorenzoni (DEM-RS) se referiu ao advogado Gustavo Bebianno como “futuro ministro” nesta segunda-feira (12).

Durante entrevista em Brasília, Lorenzoni relatou ter participado de encontro na casa do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ao lado do “futuro ministro”. Ambos integram a equipe do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL).

Questionado por jornalistas sobre o “anúncio oficial” de Bebianno para alguma pasta, desconversou e respondeu que se tratava apenas de um “desejo pessoal”.