Bibliotecário que matou duas mulheres em 2011 infringe regras e tem prisão preventiva decretada em SP

  • Por Jovem Pan
  • 01/05/2018 07h10
Reprodução/TV GloboO acusado atropelou as duas enquanto trafegava em alta velocidade pela Marginal Pinheiros. Martins apresentava sinais de embriaguez, de acordo com o Ministério Público

A Justiça decretou a prisão preventiva do bibliotecário Marcos Alexandre Martins acusado de atropelar e matar mãe e filha em 2011. A decisão foi proferida pela 13ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo na quinta-feira.

Os desembargadores estavam julgando um recurso colocado pela defesa do acusado.

Os advogados pediam a suspensão da sentença de pronúncia, que determina que o réu vá a júri popular.

Marcos Alexandre Martins respondia em liberdade pelas mortes da dona de casa Miriam Baltresca e da filha dela, a advogada Bruna Baltresca. Os crimes foram cometidos em setembro de 2011.

O acusado atropelou as duas enquanto trafegava em alta velocidade pela Marginal Pinheiros. Martins apresentava sinais de embriaguez, de acordo com o Ministério Público.

O réu chegou a ser preso, mas pagou fiança e foi liberado devendo cumprir algumas condições impostas pela Justiça.

Ele não poderia dirigir, não poderia frequentar locais que vendessem bebidas alcoólicas e deveria chegar em casa até as dez da noite.

O advogado Maurício Januzzi, assistente da acusação, tomou conhecimento de que o atropelador estava infringindo essas regras. Por isso, ele aproveitou o próprio recurso apresentado pela defesa para informar os desembargadores, que decidiram pelo pedido de prisão: “ele foi flagrado numa padaria bebendo cerveja após o horário em que deveria estar de volta à residência e isso foi juntado aos autos junto com o pedido de que fosse revogada a liberdade provisória”.

A decisão da Câmara deverá ser encaminhada à primeira instância, que expede o mandado de prisão preventiva. A expectativa é que isso ocorra nos próximos dias.

Ainda não há data para a realização do júri popular.

A reportagem não encontrou a defesa de Marcos Alexandre Martins.

*Informações do repórter Tiago Muniz