Bilhete Único: Prefeitura de SP coloca limite de recargas em modelos antigos e sem identificação

  • Por Jovem Pan
  • 31/01/2019 06h16 - Atualizado em 31/01/2019 07h15
Fabio Arantes/SECOMA partir de fevereiro, cartões sem dados pessoais impressos ou do tipo estudante ou vale-transporte emitidos até 2013 terão restrições para a colocação de créditos comuns

A Prefeitura de São Paulo coloca um limite de recargas em modelos antigos e sem identificação do Bilhete Único numa tentativa de coibir fraudes. Duas portarias publicadas no Diário Oficial desta quarta-feira (30) estabelecem as mudanças realizadas pela Secretaria de Transportes e pela SPTrans.

A partir de fevereiro, cartões sem dados pessoais impressos ou do tipo estudante ou vale-transporte emitidos até 2013 terão restrições para a colocação de créditos comuns.

Esses modelos de Bilhete Único poderão receber recargas de, no máximo R$ 43, o equivalente a dez viagens; antes era possível inserir até R$ 350 de uma vez.

Mas a inserção de valores não é o único fator que deve ser atacado pela administração municipal. O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, reconheceu que existe um problema que exige alterações na segurança da tecnologia do sistema, alvo de piratas: “é uma ação permanente que a Prefeitura faz para evitar a fraude e roubo”.

Bruno Covas deu as declarações no fim da manhã desta quarta-feira, depois de visitar uma calçada na região da Brasilândia. O local era um ponto viciado de descarte de entulho e invasões, que foi revitalizado em ação conjunta da administração e dos moradores.

*Informações do repórter Tiago Muniz