Bilionário Jeffrey Epstein cometeu suicídio, confirma laudo

  • Por Jovem Pan
  • 17/08/2019 10h12
EFEProcurador-geral dos EUA disse que havia graves irregularidades na prisão federal

A autópsia de Jeffrey Epstein confirmou que ele se enforcou na cela em que estava detido no Centro Correcional Metropolitano de Nova York. O laudo apontou diversas fraturas nos ossos do pescoço do milionário. O homem de 66 anos aguardava julgamento por operar uma rede de tráfico e abuso sexual de menores de idade.

Epstein foi encontrado morto no último sábado (10), cerca de um mês depois de ser preso. Uma autópsia já havia sido conduzida no dia seguinte, mas o médico legista quis obter mais informações antes de divulgar o laudo.

Uma matéria do Washington Post reacendeu o debate ao afirmar que havia suspeitas sobre a real causa de sua morte, sinalizando que as fraturas no pescoço poderiam ter sido causadas por estrangulamento.

No final de julho, o milionário já tinha tentado o suicídio e foi colocado em observação pela penitenciária. Seis dias depois do incidente, a equipe do presídio recomendou que ele retornasse às instalações normais. O companheiro de cela foi transferido na noite anterior à morte de Epstein.

Além disso, o procedimento padrão prevê que agentes penitenciários chequem os detentos de meia em meia hora, mas Epstein ficou 3 horas sem qualquer tipo de vigilância.

O procurador-geral dos Estados Unidos, William Barr, afirmou que havia graves irregularidades na prisão federal. Ele garantiu que o FBI está conduzindo investigações para apurar as falhas nos procedimentos da penitenciária. Barr completou que, mesmo com a morte do milionário, as autoridades vão trabalhar para punir outros envolvidos.

O caso Epstein levou à renúncia do secretário de Trabalho, Alexander Acosta e trouxe a tona nomes como do ex-presidente Bill Clinton, do integrante da realeza britânica príncipe Andrew e do próprio presidente Donald Trump.

*Com informações da repórter Nanny Cox