BNDES passa por conjunto amplo de auditoria e apuração, garante Dyogo Oliveira

  • Por Jovem Pan
  • 12/04/2018 08h36 - Atualizado em 12/04/2018 09h16
Wilson Dias/Agência Brasil"Está em andamento, alguns processos já estão sendo concluídos e não dependem do banco, mas dos órgãos de fiscalização", disse o presidente do banco

Após deixar o Ministério do Planejamento e ser designado para exercer a presidência do BNDES, Dyogo Oliveira deixou claro que o banco passa hoje por auditoria, investigação e processos de apuração, após os desvios de dinheiro público constatados.

Em entrevista exclusiva ao Jornal da Manhã, Oliveira disse que tudo deve ser apurado e esclarecido. “O banco está passando por um conjunto amplo de auditoria, investigação, processo, apuração. Temos colaborado com o Tribunal de Contas da União. Está em andamento, alguns processos já estão sendo concluídos e não dependem do banco, mas dos órgãos de fiscalização. Mas estamos dando todo o apoio que eles precisam”, explicou.

Dyogo Oliveira afirmou ainda que não é possível usar recurso público e esse dinheiro ser desviado para fins ilícitos e vantagens indevidas: “não vamos compactuar com isso jamais. E vai punir quem tiver que punir e esclarecer o que tiver de esclarecer”.

Recém-empossado, o presidente do BNDES exaltou o novo foco do banco: “o BNDES passa por momento de transição em seu papel. Está deixando de ser um distribuidor de subsídios para grupos privilegiados e passa a ser um banco aberto e focado mais em pequenas empresas, desenvolvimento de infraestrutura ao País”.

Para ele, o banco torna-se assim mais plural e capilarizado. O banco, a partir de agora, não trabalha mais com a ideia de escolher grupos e empresas e torná-las grandes campeãs mundiais.

Vamos deixar ele aberto para empresas e, tecnicamente e avaliando financeiramente, o crédito será concedido para aquelas que tenham capacidade de agregar valor e gerar reconhecimento, crescimento econômico, emprego. Outra mudança é foco nas pequenas empresas. A lógica que trabalhamos hoje é que empresas grandes ou gigantes devem tomar dinheiro no mercado privado, no mercado de capitais”, finalizou.

Confira entrevista completa com o presidente do BNDES, Dyogo Oliveira: